Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Secretária de Estado diz que não há número limite de refugiados a acolher por Portugal

08 mar, 2022 - 21:57 • Lusa

Segundo números avançados à Lusa pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), Portugal concedeu, até às 13h00 desta terça-feira, 3.179 pedidos de proteção temporária a pessoas vindas da Ucrânia em consequência da situação de guerra.

A+ / A-

A secretária de Estado para a Integração e as Migrações, Cláudia Pereira, disse esta terça-feira, em Leiria, que não há limite para receber migrantes e que Portugal tem todas as capacidades para dar resposta aos refugiados da Ucrânia.

"A pandemia mostrou que todos nos adaptámos. Portanto, estou muito confiante que também nos iremos adaptar [migração]. Basta ver que em pouco mais de uma semana chegaram mais de três mil pessoas ucranianas ao país de forma integrada. É muito significativo. A larga maioria está em casa de amigos e familiares. Estou confiante que vai decorrer da melhor forma e harmonia", disse Cláudia Pereira durante uma visita ao Estádio Municipal de Leiria, onde foi criado um Centro de Acolhimento Temporário.

A governante sublinhou que "não há quotas" e que "todos são bem-vindos". "Na verdade, temos imensas necessidades de mão de obra e os ucranianos têm contribuído imenso para a riqueza económica, mas também cultural e social do país", disse.

Segundo números avançados à Lusa pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), Portugal concedeu, até às 13h00 desta terça-feira, 3.179 pedidos de proteção temporária a pessoas vindas da Ucrânia em consequência da situação de guerra.

Durante a visita ao Centro de Acolhimento Temporário, Cláudia Pereira teve oportunidade de falar com os dois primeiros refugiados que ali chegaram, na segunda-feira e deu-lhes as boas-vindas a Portugal. "Queremos que sejam muito felizes e que se sintam bem aqui", disse a secretária de Estado a Hanna e Vyacheslav, mãe e filho.

Um dia depois de falarem com a Lusa, estes refugiados já sabem dizer: "obrigado" e "bom dia" e a gratidão "imensa" mantém-se a mesma. "Dormi finalmente, depois de várias noites sem dormir. Estar num estádio é simbólico, é como estar a fazer uma grande corrida para chegar à meta", afirmou Hanna à secretária de Estado, pela tradução de Natalia, mulher de origem russa a viver em Leiria, que tem estado envolvida na ajuda aos ucranianos e que serve de intérprete.

Cláudia Pereira disse depois aos jornalistas que "é muito importante toda a generosidade e solidariedade que tem sido demonstrada, aqui na Câmara de Leiria em conjunto com as associações da região", elogiando os quartos improvisados, num total de 54 camas.

"É um espaço muito acolhedor, com muita dignidade para os primeiros dias. Depois as pessoas vão para outras respostas, encontrando emprego e tornando-se autónomas. É muito interessante a tradutora ser russa e estar com pessoas ucranianas. A guerra que se está a passar não traduz, muitas vezes, os laços que existem entre ucranianos e russos. É sempre bom ver este exemplo de pacificidade e de paz", frisou.

Cláudia Pereira referiu ainda que existe uma bolsa de alojamento do Alto Comissariado para as Migrações, com mais de 1.800 disponibilidades, e deixou o endereço de "e-mail" sosucrania@acm.gov.pt "para quem tiver alojamento e o queira disponibilizar".

O presidente do Município de Leiria, Gonçalo Lopes (PS), apontou o Estádio Municipal Dr. Magalhães Pessoa como uma "infraestrutura desportiva, com capacidade e polivalência".

"Já foi durante dois anos o quartel-general de Leiria no combate à pandemia, foi-o na realização de testes e na vacinação", disse Gonçalo Lopes, adiantando que "o município não hesitou em oferecer o seu melhor equipamento para transformá-lo num centro de alojamento temporário".

Para tal, o autarca reconheceu o contributo de empresas, e comunidade local, que ofereceram mobiliário, peças de roupa e produtos de higiene.

Segundo Gonçalo Lopes, o centro acolhe, neste momento, "cinco pessoas e um cão". "E temos a chegar amanhã mais 21 pessoas. Algumas irão para casas de familiares e outras 13 virão para aqui, com mais um cão e mais um gato", disse.

O presidente da Câmara acrescentou que é possível adaptar mais camarotes, se houver necessidade, e existe ainda uma "rede de oferta de quartos, quer de instituições quer de empresas quer de particulares, que ainda não foi acionada".

"Temos uma grande comunidade de ucranianos no concelho de Leiria: são 1.000 registados em 2020, e na região de Leiria perto de 3.000. Nos últimos 20 anos deram um contributo muito importante para o desenvolvimento económico da região e, por isso, queremos retribuir aquilo que foi a capacidade de trabalho e a maneira como se integraram", afirmou ainda.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+