Tempo
|
A+ / A-

Ucranianos em Portugal. “O mundo tem de bloquear a Rússia”

24 fev, 2022 - 12:30 • Isabel Pacheco

Ucranianos pedem que os portugueses "fechem" os negócios com a Rússia. O apelo é da associação de ucranianos no nosso país que promove uma manifestação, esta quinta feira, frente à embaixada da Rússia, em Lisboa.

A+ / A-

Ucranianos em Portugal manifestam-se, esta tarde, frente à embaixada russa em Lisboa.

Trata-se de uma ação de protesto contra a ofensiva de Putin no seu país, explica Pavlo Sadokha, o presidente da associação de ucranianos em Portugal, que servirá, também, para pedir o apoio do governo português e apelar à solidariedade da sociedade portuguesa.

“Queremos pedir à sociedade portuguesa que, neste tempo difícil, entendam que têm de fechar todos os negócios com a Rússia. O mundo tem de bloquear a Rússia”, defende Pavlo Sadokha. “Acreditamos que estas ações vão mostrar ao povo russo que está a lidar com um ditador que perdeu completamente o juízo e começou a terceira guerra mundial na Europa”.

Para além da compreensão dos empresários portugueses, o representante da comunidade ucraniana em Lisboa pede, ainda, a ajuda do governo português. ” A Ucrânia precisa muito de apoio financeiro e, principalmente, de armamento porque não temos um sistema de defesa contra misseis e ataques aéreos”, pede.

A iniciativa que espera mobilizar a maioria dos dois mil ucranianos a residir na capital portuguesa está marcada para as 18h30 frente ao edifício da Embaixada Russa, em Lisboa. A ação de protesto repete-se no Algarve junto do consulado honorário da Rússia, em Vila Moura.

A Rússia lançou, esta quinta feira , uma ofensiva na Ucrânia. A operação militar russa acontece três dias depois de o presidente Russo, Vladimir Putin ter reconhecido a independência das regiões de Donestsk e Lugansk, no leste do território ucraniano.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+