Tempo
|
A+ / A-

Putin lança exercícios militares com mísseis balísticos

19 fev, 2022 - 16:09 • Lusa

Porta-voz do Kremlin confirmou que os exercícios já começaram e que Putin os acompanha com o seu homólogo e aliado bielorrusso, Alexander Lukashenko.

A+ / A-

O presidente russo, Vladimir Putin, lançou este sábado exercícios militares "estratégicos" com mísseis balísticos e de cruzeiro, anunciou o Kremlin, em plena escalada de tensão com o Ocidente, que teme uma iminente invasão russa da Ucrânia.

Citado pelas agências russas Ria Novosti e Interfax, o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, confirmou que os exercícios já começaram e que Putin os acompanha com o seu homólogo e aliado bielorrusso, Alexander Lukashenko.

Peskov acrescentou que o líder russo não fará declarações à imprensa no final dos exercícios.

Na sexta-feira, o Ministério da Defesa da Rússia anunciou que "em 19 de fevereiro de 2022, sob a direção do comandante supremo das Forças Armadas da Rússia, Vladimir Putin", se realizariam exercícios das Forças de Contenção Estratégica, nos quais se lançariam "mísseis balísticos e de cruzeiro".

Nos exercícios participam unidades das Forças Aeroespaciais da Rússia, o Distrito Militar Sul, as Forças de mísseis estratégico e as frotas do Mar Negro e do Norte.

O objetivo, segundo o Ministério da Defesa, é comprovar o estado de preparação da direção, das unidades de lançamento e das tripulações dos navios lança-mísseis, assim como verificar a fiabilidade das armas estratégicas nucleares e convencionais do arsenal russo.

Peskov disse também na sexta-feira que as manobras das forças nucleares não devem alarmar o Ocidente, já que se trata de treino "bastante regular" e que diversos países foram notificados através de vários canais.

Lukashenko, que chegou na sexta-feira à Rússia para se reunir com Putin, manifestou o desejo de assistir aos exercícios juntamente com o chefe de Estado russo.

O Ocidente e a Rússia vivem atualmente um momento de forte tensão, com o regime de Moscovo a ser acusado de concentrar pelo menos 150.000 soldados nas fronteiras da Ucrânia, numa aparente preparação para uma potencial invasão do país vizinho.

Moscovo desmente qualquer intenção bélica e afirma ter retirado parte do contingente da zona.

Entretanto, nos últimos dias, o exército da Ucrânia e os separatistas pró-russos têm vindo a acusar-se mutuamente de novos bombardeamentos no leste do país, onde a guerra entre estas duas fações se prolonga desde 2014.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+