Tempo
|
A+ / A-

Padre ucraniano defende "posição mais dura" da Europa com a Rússia

18 fev, 2022 - 21:18 • Isabel Pacheco

Vasyl Bundzyak, padre ortodoxo ucraniano a viver em Portugal, fala numa guerra que dura há oito anos e defende uma posição forte da Europa para evitar a invasão da Ucrânia pela Rússia.

A+ / A-

Vasyl Bundzyak prefere usar o termo “guerra” para descrever o cenário que se vive no seu país em sequência da tensão com a Rússia. Um conflito, diz o padre ortodoxo ucraniano, que dura há oito anos, desde as incursões militares russas nas regiões da Ucrânia de leste em 2014.

“Esta é uma guerra, mas não é uma guerra de guerrilha, porque nestes últimos oito anos foram mortos 14 mil cidadãos ucranianos e mais de um milhão de pessoas deslocaram-se para zonas onde não há conflito”, diz Vasyl Bundzyak, que reconhece que esta é uma questão difícil de perceber para quem não vive na Ucrânia.

“Isto é muito difícil de compreender para as pessoas de fora, mas nós, ucranianos que vivemos no estrangeiro, estamos sempre preocupados com os nossos compatriotas”, confessa em declarações à Renascença.

Perante a crescente tensão entre a Kiev e Moscovo, Vasyl Bundzyak pede uma posição mais forte da União Europeia na resolução da crise.

“O Presidente russo sempre fez manipulação das comunidades internacionais com 'fake news' para controlar a opinião pública. A Europa faz o papel diplomático para destruir estas 'fake news', mas tem de fazer mais e ter uma posição mais dura”, defende.

“A Ucrânia não quer invadir ninguém. Quer viver em paz”, remata.

Sobre o que tem falhado para assegurar a estabilidade no seu país, o emigrante ucraniano não tem dúvidas e aponta o fracasso do Memorando de Budapeste.

“Um facto importante foi quando, em dezembro de 1994, a Ucrânia, a Inglaterra, a Rússia e os EUA assinaram o memorando de Budapeste em que se comprometiam em assegurar a integridade e a independência da Ucrânia para deixar as armas nucleares”, recorda.

“Passado este tempo o memorando não funcionou, nem funciona porque a Rússia é a primeira a mostrar que o acordo não tem nenhum impacto”.

Depois deste desfecho, “os EUA e a Inglaterra têm de fazer um esforço maior para manter os direitos do povo ucraniano e para que a Rússia deixe o meu país em paz e sossego”, defende.

Nos últimos tempos, do seu país natal chegam “relatos de medo” de quem vive sob a ameaça de uma invasão russa a qualquer minuto. “Há receio. Os meus amigos têm medo que, hoje ou amanhã, aconteça alguma coisa de grande dimensão. Vive-se com medo”, conta Vasyl Bundzyak.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+