Tempo
|
A+ / A-

Afeganistão. Menino de nove anos preso há dois dias em poço

17 fev, 2022 - 19:09 • Teresa Paula Costa com Lusa

Equipas de resgate estão a realizar escavações para chegar à criança, que se encontra a 10 metros de profundidade.

A+ / A-

Equipas de resgate estão a realizar escavações para chegar a uma criança de nove anos que caiu há dois dias num poço com 25 metros de profundidade, na aldeia de Shokhak, na província de Zabul, no sudeste do Afeganistão.

Numa operação semelhante à utilizada em Marrocos para salvar Rayan, o menino de cinco anos que morreu há duas semanas, máquinas escavadoras abriram grandes trincheiras na terra para tentar aceder ao poço.

Abdullah Azzam, secretário do vice-primeiro-ministro afegão, Abdul Ghani Baradar escreveu na rede social Twitter que "uma equipa está no local com uma ambulância, oxigénio e outras coisas necessárias” para resgatar a criança, cuja “saúde é boa e que às vezes pede comida e água”.

Vídeos publicados nas redes sociais, nesta quinta-feira, mostram o rapaz, de nome Haidar, vestido com uma camisola azul, sentado no fundo do poço e com os ombros encostados à parede, mas que consegue mexer os braços e a parte superior do corpo.

Num dos vídeos ouve-se a criança a chorar e a gemer e, num outro, ouve-se o rapaz a conversar com o pai. As imagens foram obtidas por uma câmara colocada no poço através de um fio. Também é possível observar uma lâmpada colocada em frente à criança, que ilumina o fundo do poço.

Quanto às circunstâncias exatas da queda do menino no poço, elas não são ainda conhecidas.

Este acidente no Afeganistão lembra o ocorrido no início de fevereiro em Marrocos, com o pequeno Rayan, de cinco anos, que caiu num poço seco e foi encontrado sem vida, após cinco dias de esforços por parte das equipas de resgate.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+