A+ / A-

Ucrânia. EUA ordenam saída de familiares dos diplomatas

24 jan, 2022 - 04:15 • Marisa Gonçalves com agências

Decisão conhecida numa altura em que aumentam os receios quanto a uma possivel invasão russa. O clima de tensão no Leste Europeu vai ser tema de debate, esta segunda-feira, em Bruxelas.

A+ / A-

Os Estados Unidos deram ordens às famílias de todos os funcionários norte-americanos da embaixada para que abandonem a Ucrânia, pois a situação na fronteira pode degradar-se rapidamente.

O Departamento de Estado adianta que a embaixada em Kiev permanecerá aberta e sublinham que anúncio não constitui “uma evacuação”. O mesmo comunicado especifica que a medida estava a ser equacionada há algum tempo e “não reflete uma flexibilização do apoio dos EUA à Ucrânia”.

Os motivos que estão na base deste anúncio relacionam-se com as suspeitas de que a Rússia estará a preparar uma ação militar “significativa” contra a Ucrânia.

A embaixada norte-americana, em Kiev, emitiu uma nota onde sustenta: “Uma ação militar da Rússia pode acontecer a qualquer momento".

A Ucrânia já tinha alertado que a Rússia está a tentar desestabilizar o país, antes de levar a cabo qualquer invasão militar. Moscovo tem negado quaisquer intenções nesse sentido.

Bruxelas discute tensão entre Rússia e Ucrânia

À procura de uma resposta conjunta entre a União Europeia e os Estados Unidos, esta segunda-feira, os ministros dos Negócios Estrangeiros dos 27 discutem o conflito entre Ucrânia e Rússia, num Conselho, em Bruxelas, no qual participará por videoconferência o chefe da diplomacia norte-americana, Anthony Blinken.

Ao longo da última semana, enquanto prosseguiram as negociações entre Washington e Moscovo em torno das exigências russas para não atacar a Ucrânia, que considera uma ameaça à sua segurança nacional, a União Europeia insistiu que qualquer nova agressão militar russa contra a integridade territorial e soberania da Ucrânia terá um preço elevado, acenando com a ameaça de "sanções económicas e financeiras maciças".

Fontes diplomáticas indicaram que os 27 não deverão, todavia, discutir "sanções específicas" contra Moscovo, embora o Conselho deva reafirmar de forma clara que está preparado para responder a qualquer ataque da Rússia, que Washington continua a apontar como provável.

O Presidente russo, Vladimir Putin, já fez saber que quer garantias imediatas de que não haverá expansão da NATO (Organização do Tratado do Atlântico Norte) até à Ucrânia.

Entretanto, a NATO vem alertar para o risco de um novo conflito na Europa depois que cerca de 100.000 soldados russos terem sido deslocados para a fronteira com a Ucrânia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+