Tempo
|
A+ / A-

Frontex

Quase 200 mil migrantes chegaram à UE em 2021

11 jan, 2022 - 23:52 • Lusa

A principal rota foi o Mediterrâneo central, por onde chegaram 65.362 migrantes, cerca de um terço do total. De um ano para o outro, o aumento foi de 83% naquela rota, segundo a Frontex.

A+ / A-

Quase 200.000 migrantes chegaram à União Europeia (UE) no último ano, o número mais alto desde 2017, anunciou esta terça-feira a agência europeia de controlo de fronteiras Frontex, acrescentando que o fluxo migratório clandestino voltou aos níveis pré-pandemia.

O número de chegadas ilegais foi 57% superior ao de 2020, quando as restrições impostas pela pandemia da Covid-19 reduziram drasticamente a migração, mas também mais 36% do que em 2019, disse em comunicado a Frontex.

O número de chegadas clandestinas à UE em 2021, "pouco menos de 200.000", é agora maior "do que os níveis pré-pandemia", acrescentou a agência com sede em Varsóvia.

"Isso sugere que outros fatores, além do levantamento das restrições à mobilidade global, estão por trás do aumento da pressão migratória", disse a Frontex.

Em 2021, um fator novo foi o afluxo de migrantes, principalmente do Médio Oriente, através da Bielorrússia, no que a UE considera uma operação orquestrada pelo regime Minsk.

A Frontex também observou um aumento acentuado nas chegadas de migrantes através do Mediterrâneo central, dos Balcãs Ocidentais e de Chipre.

A principal rota dos migrantes foi o Mediterrâneo central, por onde chegaram 65.362 migrantes, cerca de um terço do total. De um ano para o outro, o aumento foi de 83% naquela rota, segundo a Frontex.

Os Balcãs Ocidentais tiveram um aumento de 124% em relação a 2020, chegando a 60.540 migrantes ilegais. Em Chipre, foram registadas 14.400 chegadas, 123% a mais do que no ano anterior.

No ano passado, os sírios foram os mais numerosos entre os migrantes ilegais, seguidos pelos tunisinos, marroquinos, argelinos e afegãos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+