Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Fim da pandemia em 2022? "Podemos recuperar o controlo das nossas vidas", admite diretor da OMS

31 dez, 2021 - 18:38 • Redação

Dois anos depois da primeira notícia dando conta da existência de uma pneumonia atípica na China, Tedros Ghebreyesus diz ser possível regressar à normalidade pré-Covid. Mas isso só será possível se acabarem as desigualdades.

A+ / A-

Veja também:


O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) acredita que “2022 será o ano em que vamos acabar com a pandemia, mas só se o fizermos juntos”.

Tedros Ghebreyesus avisa, contudo, que, se persistirem as assimetrias, nomeadamente no acesso desigual à vacinação, não será possível acabar com a pandemia.

"Se acabarmos com a desigualdade, acabaremos com a pandemia e com o pesadelo global que todos vivemos. E isso é possível", declarou Ghebreyesus.

Dois anos depois da primeira notícia dando conta da existência de uma pneumonia atípica na China, o diretor-geral da OMS lembra o caminho feito até aqui, sublinhando a vacinação como uma das maiores conquistas.

Contudo Ghebreyesus insiste em alertar contra o "nacionalismo que leva à acumulação de vacinas”, sobretudo nos países desenvolvidos, “minando a equidade, criando as condições ideais para o surgimento da variante Ómicron”.

“Quanto mais a desigualdade persistir, maiores serão os riscos de o vírus evoluir de maneiras que não podemos prevenir ou prever", avisou.

No entanto, o responsável da OMS remata com esta certeza: “se acabarmos com a desigualdade, acabaremos com a pandemia”.

A nível global, foi atingida a marca dos 287 milhões de casos e 5,5 milhões de pessoas morreram de Covid-19, em todo o mundo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    01 jan, 2022 évora 02:11
    Milhões de pessoas no Mundo nem às vacinas básicas tem aceso e alimentos quanto mais agora querem vacinar toda gente , acabem antes com a fome no Mundo e a miséria , só assim as vacinas chegarão um dia a tempo .
  • Esturro
    31 dez, 2021 Mundial 19:31
    Impossivel retomar o controle porque esta "pandemia" dá muito jeito aos governos, que podem impor legislação restritiva das nossas liberdades, acabar com greves e contestação, e declarar emergências e confinamentos quando querem, bastando assustar a malta, falando em "Covid". Já pensaram na Gripe Espanhola e noutras doenças bem mais letais que a Covid, e no entanto, vencidas com Ciência e meios bem menores que agora? Como é possível não haver tratamentos a não ser vacinas que nem evitam a doença, antes minoram os seus efeitos, e já se ir na 4ª vaga de Covid, com uma 5.ª a caminho, para gáudio das farmacêuticas que estão a lucrar aos milhares de milhões com isto? A quem aproveita esta situação? Não cheira a esturro a ninguém?

Destaques V+