Tempo
|
A+ / A-

Covid-19. Pandemia é a pior crise que Unicef já enfrentou nos seus 75 anos

09 dez, 2021 - 01:26 • Lusa

O mais recente relatório da Agência das Nações Unidas para a Infância revela que pandemia afetou as crianças "numa escala sem precedentes".

A+ / A-

Veja também:


A Covid-19 constituiu a pior crise a que a Unicef assistiu nos seus 75 anos de história, remetendo mais de 100 milhões de crianças para a pobreza, divulga a agência das Nações Unidas para a Infância.

O relatório "Prevenir uma década perdida: Ação urgente para inverter o impacto devastador da covid-19 nas crianças e jovens", adianta que a pandemia afetou as crianças "numa escala sem precedentes", ameaçando-as "a níveis nunca antes vistos".

Segundo o documento da Unicef, mais de 100 milhões de crianças vivem atualmente em pobreza devido à pandemia, o que representa um aumento de 10% relativamente a 2019.

O número "corresponde a aproximadamente 1,8 crianças por segundo desde meados de março de 2020", refere a organização, alertando também para o longo caminho de recuperação.

"Mesmo no melhor dos cenários, serão necessários sete a oito anos para recuperar e regressar aos níveis de pobreza infantil pré-covid-19", estima a Unicef.

Em comunicado, a diretora-executiva da Unicef, Henrietta Forre afirma: "Ao longo da nossa história, a Unicef ajudou a moldar ambientes mais saudáveis e seguros para as crianças em todo o mundo, com resultados significativos para milhões delas. Estes ganhos estão agora em risco", alerta.

O cenário leva a Unicef a apelar a um investimento na proteção social e ao fim da pandemia e inversão do retrocesso na saúde e nutrição infantis, "aproveitando o papel vital" da organização na distribuição da vacina anti-covid-19, assim como a um reforço da educação de qualidade, proteção e saúde mental das crianças.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+