Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

PR da Alemanha. Scholz tem a "grande responsabilidade" de combater a pandemia

08 dez, 2021 - 16:30 • Lusa

Frank-Walter Steinmeier deixa aviso sobre a Covid-19 ao novo chanceler alemão: "É fundamental não ouvir os mais ruidosos."

A+ / A-

O Presidente da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, considera que o novo chanceler alemão, Olaf Scholz, formalmente empossado ao início da tarde desta quarta-feira, tem a "grande responsabilidade" de combater a pandemia de Covid-19 no país.

"Não deixe que a pandemia nos divida de forma duradoura”, pediu Steinmeier ao sucessor de Angela Merkel e aos seus ministros, num contexto de mobilização contra a obrigação da vacina, que deve entrar em vigor em fevereiro ou março de 2022.

O Presidente alemão, autoridade moral na Alemanha, recebeu Scholz esta quarta-feira, logo após ter sido formalmente eleito como novo chanceler, bem como a nova equipa ministerial.

“Sei que vocês, no novo governo federal, levam a sério a grande responsabilidade que agora pesa sobre os vossos ombros [na luta contra a Covid-19]. Nesta situação de emergência, é fundamental não ouvir os mais ruidosos, mas garantir que as garras da pandemia não nos afetem por mais um ano e que a vida pública possa voltar a ser um dado adquirido”, declarou Steinmeier.

Para o chefe de Estado alemão, a Alemanha deve agora “unir-se” para ultrapassar a quarta onda da pandemia e evitar uma eventual quinta vaga.

“É precisamente nesta situação tensa que os bons argumentos devem falar, não o desprezo, não a raiva e ainda menos o ódio”, frisou Steinmeier.

Várias manifestações contra vacina obrigatória


Nas últimas semanas foram organizadas várias manifestações contra a obrigação da vacinação, algumas delas sem autorização da polícia, lideradas nalguns casos pela extrema-direita.

Na sexta-feira passada, várias dezenas de opositores às restrições e de negacionistas reuniram-se em frente à casa de uma autoridade regional com tochas e apitos, provocando indignação na classe política.

Na Alemanha, a incidência acumulada a sete dias voltou a cair esta quarta-feira, após registar máximos dia após dia em novembro. O número de mortos, num total de 527, subiu para os níveis de fevereiro.

A incidência é de 427 novas infeções por 100 mil habitantes em sete dias, contra 432,2 na terça-feira, 442,9 na semana anterior e 201,1 no mês anterior, segundo os últimos dados do Instituto Robert Koch (RKI).

Porém, o Instituto tinha alertado que essa desaceleração, pelo menos em número, poderia refletir, mais do que uma mudança na dinâmica da transmissão, a saturação crescente da saúde pública e dos laboratórios e a consequente dificuldade em notificar imediatamente novas infeções.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+