Tempo
|
A+ / A-

​Italiano anti-vacinas tenta receber vacina Covid-19 em "braço falso"

03 dez, 2021 - 15:56 • Ricardo Vieira

O caso insólito aconteceu no centro de vacinação de Biella. Homem vai ser acusado de fraude.

A+ / A-

Um homem italiano tentou receber a vacina para a Covid-19 num braço falso para conseguir o “certificado verde”. Agora, vai responder pelo crime de fraude.

O caso insólito aconteceu no centro de vacinação de Biella, uma cidade nos arredores de Turim, no norte do país, uma semana depois de o Governo italiano anunciar restrições específicas para não-vacinados.

O homem, um dentista de 50 anos impedido de trabalhar por não ter o certificado, cumpriu todas as formalidades à chegada ao centro de vacinação e foi chamado para tomar a vacina. Baixou a manga da camisa para ser inoculado no ombro e, inicialmente, a enfermeira não reparou em nada de estranho.

Mas quando se preparava para aplicar a vacina para a Covid-19, a profissional de saúde apercebeu-se que estava perante uma situação fora do normal.

“Quando me deparei com o braço do utente, senti uma pele de borracha e fria ao toque, com uma tez era muito clara”, conta Filippa Bua à imprensa italiana.

A enfermeira ainda pensou que se tratava de uma prótese e pediu ao utente para arregaçar a manga do outro braço, mas logo percebeu que se tratava de uma tentativa de fraude.

“A princípio pensei que fosse um paciente com braço artificial, mas depois a cor da pele e a perceção do toque deixaram-me desconfiada", relata.

O cidadão italiano anti-vacinas tentou enganar a profissional de saúde com um braço de silicone e, após ser desmascarado, tentou convencê-la a alinhar na fraude para conseguir o certificado de vacinação.

Perante a recusa da profissional de saúde, o homem sorriu, levantou-se e abandonou o centro de vacinação, mas não se vai livrar de uma acusação de tentativa de enganar as autoridades sanitárias.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+