Tempo
|
A+ / A-

Suécia

Orçamento chumbado força demissão da primeira-ministra sueca oito horas após nomeação

24 nov, 2021 - 22:02 • Lusa

Magdalena Andersson diz esperar ser reeleita para o cargo numa posterior votação, procurando ter um Governo 100% social-democrata, sem depender de partidos extremistas.

A+ / A-

Menos de oito horas após a sua nomeação pelo Parlamento, a nova primeira-ministra sueca, Magdalena Andersson, foi forçada esta quarta-feira a renunciar ao cargo, depois do chumbo do seu orçamento e do abandono dos aliados de coligação.

"Há uma prática constitucional pela qual um Governo de coligação renuncia, quando um dos partidos o abandona. Não quero liderar um Governo cuja legitimidade seja questionada", disse a líder social-democrata, durante uma conferência de imprensa.

Na noite deste muito curto mandato, Andersson explicou que espera agora ser reeleita para o cargo numa posterior votação, procurando ter um Governo 100% social-democrata, sem depender de partidos extremistas.

Eleita para ser a primeira mulher na Suécia no cargo de primeiro-ministro, após vários dias de difíceis negociações, Andersson foi vítima de um penoso jogo político.

Na noite de terça-feira, esta economista de 54 anos - até agora ministra das Finanças do seu antecessor, Stefan Lofven - tinha garantido 'in extremis' o apoio necessário para chegar ao poder, graças a um acordo de última hora com o partido da Esquerda, prometendo aumentar as pensões mais baixas, e ao lado do partido Ambientalista.

Contudo, um outro partido relevante no Parlamento sueco, o Partido do Centro, insatisfeito com as concessões feitas à esquerda, retirou o seu apoio ao orçamento.

A consequência imediata foi que, o mesmo Parlamento que elegeu Andersson pela manhã, deixou o seu orçamento em minoria, à tarde, e aprovou o orçamento da oposição de direita, que fora preparado anteriormente com a extrema-direita, do partido Democrata da Suécia.

Andersson começou por dizer que aceitava a situação, mas o seu aliado na coligação minoritária, o Partido da Esquerda, considerou inaceitável governar com uma lei de Finanças com a marca da extrema-direita.

Logo após a derrota do orçamento no Parlamento, o partido Ambientalista anunciou a sua saída do Governo, forçando Andersson a demitir-se, poucas horas depois de ter sido eleita.

O presidente do Parlamento, Andreas Norlén, disse que aceitou a sua renúncia e que agora iniciará contactos com os líderes dos vários partidos com assento parlamentar, antes de decidir como proceder, na quinta-feira.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • maria pires ribeiro
    25 nov, 2021 Lisboa 10:25
    E também deve querer médicos mais bem remunerados no SNS, assim como, fazer valer a opção de trabalhar no público ou no privado, nos dois lados em simultâneo esta mistura é cara e incomportável para os Contribuintes e doentes!

Destaques V+