Tempo
|
A+ / A-

Espanha

Vulcão de La Palma está ativo há dois meses, mas perde força

19 nov, 2021 - 09:20 • João Cunha , Olímpia Mairos

A erupção nas Ilhas Canárias é a mais longa do arquipélago desde 1712 e a oitava desde que existem registos históricos.

A+ / A-

Dois meses depois do início da erupção de Cumbre Vieja na ilha de La Palma, nas Canárias, o vulcão continua em atividade e para trás já deixou uma onda de destruição.

As últimas contas revelam prejuízos de pelo menos 700 milhões de euros. A lava deste vulcão - que provocou mais de cinco mil terremotos - já ocupa quase 900 hectares, tendo destruído perto de dois mil edifícios.

Sete mil pessoas foram deslocadas, naquela que é a erupção mais destrutiva no arquipélago desde 1712 e a oitava desde que existem registos.

Para o vulcanólogo Vitor Hugo Forjaz, a surpresa não está na duração da erupção, mas no seu poder de destruição. “Nunca pensei que este vulcão tivesse o poder de destruição que teve e que ainda tem em parte”, afirma à Renascença.

O antigo professor Catedrático do Departamento de Geociências da Universidade dos Açores, acrescenta que “o número de desalojados, a área afetada, o poder dos gases e das lavas neste estilo eruptivo tem sido realmente uma surpresa”.

A energia do sistema eruptivo do vulcão continua a mostrar uma tendência descendente nos últimos dias, mas a erupção, iniciada a 19 de setembro, não vai terminar no curto prazo segundo os especialistas.

De acordo com María José Blanco, a porta-voz científica de Plano de Emergência Vulcânica das Canárias (Pevolca), que coordena as atuações relativas à erupção, o vulcão “perdeu energia”, dando conta que se verifica “uma diminuição de todos os parâmetros usados para monitorizar a atividade do vulcão, sobretudo a sismicidade, a deformação do solo e a emissão de dióxido de enxofre (SO2)”.

Tratando-se de uma tendência "lenta" espera-se que continue a decrescer e possa "chegar a níveis mais baixos" de erupção.

A menor quantidade de lava é visível. A explosividade do cone, porém, provoca deslizamentos constantes que alteram a trajetória das línguas, o que faz com que, dois meses depois, a erupção já tenha acumulado até 12 fluxos diferentes, cada um com seu próprio histórico de destruição.

O presidente do Governo de Espanha, tem prevista uma nova deslocação a La Palma no sábado. Será a sétima de Pedro Sánchez desde 19 de setembro.

Logo na terceira deslocação à ilha, o Presidente anunciou um "poderoso pacote de medidas" para a reconstrução de infraestruturas, restauração do abastecimento de água, investimentos em emprego, habitação, agricultura, turismo e diversos benefícios fiscais.

O valor total da ajuda é de 206 milhões de euros. A este montante somam-se os 40 milhões que o Governo das Canárias já atribuiu numa primeira fase e os 10,5 milhões para habitações e artigos de primeira necessidade aprovado na última terça-feira. O Governo regional também incluirá nos seus orçamentos para 2022 uma rubrica extraordinária de 100 milhões para iniciar a reconstrução da ilha.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+