Tempo
|
A+ / A-

Invasor do Capitólio condenado a 41 meses de prisão

17 nov, 2021 - 17:46 • Redação

​Jacob Chansley tornou-se num dos rostos mais conhecidos da invasão que ocorreu a 6 de janeiro.

A+ / A-

Jacob Chansley, auto-entitulado "xamã do QAnon", que se tornou numas das caras mais icónicas da invasão ao Capitólio que aconteceu a 6 de janeiro, foi condenado esta quarta-feira a 41 meses de prisão.

A decisão do juiz de Washington DC de condenar o atacante a 41 meses de prisão foi conhecida esta quarta-feira. Jacob Chansley já está preso há dez meses, período que lhe será debitado da contagem final.

"O que fizeste naquele momento foi obstruir o funcionamento do governo. Tu sabes que o que fizeste é errado", declarou o juíz Royce Lamberth, ao proferir a sentença.

Chansley falou durante a audiência e admitiu a sua culpa: "Foi errado entrar no Capitólio. Não tenho qualquer desculpa. O comportamento é indefensável."

Apesar de se dizer culpado, o réu garante não ser um "criminoso perigoso". "Não sou um homem violento, não sou um insurreto e, certamente, não sou um terrorista doméstico. Sou um bom homem que quebrou a lei".

Durante o ataque ao Capitólio norte-americano, o agora condenado aparecia em tronco nu, de megafone em punho e com um chapéu de pelo e com cornos. As imagens da sua cara, pintada com as cores da bandeira dos EUA, correram mundo. Foi um dos primeiros 30 desordeiros a entrar no edifício, enquanto uma multidão de apoiantes de Trump sobrecarregava a polícia, partia janelas e destruía o que encontrava pelo caminho.

Chansley acabou por ser detido dias depois e acusado de seis crimes. Fez um acordo com o governo e declarou-se culpado mais tarde.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+