Tempo
|
A+ / A-

Cimeira do Clima

COP26. Matos Fernandes defende que "não se mexa mais" no texto do documento final

12 nov, 2021 - 19:57 • Lusa

“Acho que é essencial termos aqui mais um dia e uma noite de trabalho para chegarmos a conclusões, mas que o texto não mexa mais porque senão vai ficar mesmo um desastre”, disse o ministro do Ambiente.

A+ / A-

O ministro do Ambiente e Ação Climática defendeu esta sexta-feira ser essencial que “não se mexa mais” no texto que está em discussão na cimeira do clima da ONU, considerando que se tal acontecer o mesmo “vai ficar um desastre”.

“Acho que é essencial termos aqui mais um dia e uma noite de trabalho para chegarmos a conclusões, mas que o texto não mexa mais porque senão vai ficar mesmo um desastre”, disse João Pedro Matos Fernandes à Lusa, à margem da 6.ª edição do fórum anual da European Metropolitan Authorities (EMA).

O ministro adiantou que o texto inicial “começou bem” ao fazer “referências muito explicitas ao ‘phasing out’ do carvão e ao fim dos subsídios perversos aos combustíveis fosseis”.

“A cada versão que passa é cada vez mais tíbia [a versão do texto] e espero mesmo que paremos por aqui”, defendeu.

Depois de duas semanas de discussões os participantes na 26.ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP26) estão a tentar aprovar um texto final que consensualize medidas para limitar a 1,5ºC (graus celsius) o aquecimento global durante este século em relação aos valores pré-industriais.

O projeto de conclusões que estava esta sexta-feira a ser discutido apela para cortes mais rápidos nas emissões de gases com efeito de estufa, ajuda para os países mais pobres em relação a catástrofes naturais, e limites aos combustíveis fósseis.

A COP26 decorre seis anos após o Acordo de Paris, que estabeleceu como meta limitar o aumento da temperatura média global do planeta a entre 1,5 e 2 graus celsius acima dos valores da época pré-industrial.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+