Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Navio humanitário com mais de 800 migrantes atracou num porto italiano

07 nov, 2021 - 17:25 • Lusa

Gritos de alegria ouviram-se a bordo do "Sea-Eye 4" foram ouvidos na doca de Trapani, enquanto o navio se aproximava, informou a televisão TV SkyTG24, citada pela agência noticiosa AP.

A+ / A-

Um navio humanitário alemão com mais de 800 migrantes resgatados, incluindo 15 crianças, chegou este domingo a um porto da Sicília, depois da permissão das autoridades italianas e após dias de espera no Mar Mediterrâneo.

A organização humanitária Sea-Eye afirmou que o navio "Sea-Eye 4" foi autorizado a atracar no porto de Trapani, no oeste da ilha de Sicília, na noite de sábado.

A maioria dos adultos ficará em quarentena preventiva devido à pandemia de Covid-19, enquanto cerca de 160 menores, bebés e outras crianças com menos de quatro anos vão ser levados para abrigos em terra.

Muitos dos passageiros são provenientes de países da África Ocidental e também do Egito e Marrocos, disse Giovanna di Benedetto, da organização Save the Children na Itália.

Gritos de alegria ouviram-se a bordo do "Sea-Eye 4" foram ouvidos na doca de Trapani, enquanto o navio se aproximava, informou a televisão TV SkyTG24, citada pela agência noticiosa AP.

Cerca de metade dos migrantes foram resgatados de um barco de madeira que afundou no passado dia 04 de novembro, enquanto os outros passageiros foram retirados do mar para um local seguro em operações separadas.

Elementos da "Sea-Eye" lamentaram que Malta não tivesse respondido ao sinal de socorro do barco de madeira, que se encontrava na área de busca e salvamento maltesa.

Um outro navio humanitário, o "Ocean Viking", com 308 migrantes a bordo, ainda aguarda a atribuição de um porto perto de Lampedusa, uma pequena ilha italiana no sul da Sicília.

As agências de refugiados da ONU há muito tempo denunciam a prática de tortura em campos de detenção na Líbia, onde os migrantes vivem, muitas vezes por semanas ou meses, até que traficantes de seres humanos providenciem a sua passagem a bordo de barcos frágeis.

O número de migrantes que desafiam a perigosa travessia do Mediterrâneo central aumentou este ano para mais de 54.000. Ainda assim, os números estão abaixo dos registados entre 2014 e 2017, quando entre as 120.000 e as 180.000 pessoas chegaram a Itália, anualmente, muitas vezes em barcos de contrabandistas frágeis.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+