Tempo
|
A+ / A-

Web Summit

​Facebook nega que seja nocivo à democracia, mas reconhece ser precisa “mais transparência”

02 nov, 2021 - 12:16 • Cristina Nascimento

Vice-presidente para os assuntos globais e comunicações da Meta, antes conhecida como Facebook, respondeu a algumas críticas da denunciante Frances Haugen, oradora que marcou a sessão de abertura da Web Summit.

A+ / A-

Na sessão de abertura da Web Summit, o vice-presidente para os assuntos globais e comunicações da Meta (antiga Facebook) reconhece ser preciso “mais transparência” e “novas regras” para as redes sociais.

No entanto, Nick Clegg, recusa que a rede social fundada por Mark Zuckerberg seja nociva à democracia, como considerou a antiga colaboradora do Facebook Frances Haugen.

“Mihares de pessoas usam estas ferramentas – Facebook, Instagram, WhatsApp, Messenger - para se expressarem”, sublinhou.

Clegg, que se juntou ao Facebook em 2018, lembrou o caminho que tem sido feito para garantir a qualidade dos conteúdos, sublinhando que nos últimos “ganharam uma grande capacidade de rever conteúdos em diversas línguas”.

Disse ainda que o Facebook apenas tem três fontes de conteúdos: os que são gerados por cada utilizador, as páginas que segue e os grupos a que pertence.

“São escolhas de cada um”, reforçou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+