Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Facebook põe fim a direto de Bolsonaro que liga vacinação Covid a SIDA

25 out, 2021 - 14:55 • Cristina Nascimento com Lusa

Presidente do Brasil citou uma notícia falsa publicada no site ‘beforeitnews.com’ que diz que relatórios oficiais do Reino Unido teriam sugerido que as pessoas totalmente vacinadas desenvolvem SIDA “muito mais rápido do que o previsto”.

A+ / A-

O Facebook interrompeu o direto que o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, estava a fazer este domingo, através da rede social. Segundo o comunicado da empresa de Marc Zuckerberg, citado pelo jornal brasileiro "Folha de São Paulo", a interrupção ficou a dever-se a "alegações de que as vacinas de Covid-19 matam ou podem causar danos graves às pessoas".

No vídeo retirado do Facebook e também do Instagram, o Presidente brasileiro menciona uma notícia falsa publicada no site ‘beforeitnews.com’ que diz que relatórios oficiais do Reino Unido teriam sugerido que as pessoas totalmente vacinadas desenvolvem SIDA “muito mais rápido do que o previsto”.

“Relatórios oficiais do Governo do Reino Unido sugerem que os totalmente vacinados (…) quem são os totalmente vacinados? Aqueles que depois da segunda dose né (…) estão desenvolvendo síndrome da imunodeficiência adquirida (sida) muito mais rápido do que o previsto. Portanto, leiam a matéria, não vou ler aqui porque posso ter problema com a minha ‘live'”, afirmou Bolsonaro.

Jair Bolsonaro, que nega a gravidade da pandemia com recorrência e também coloca em causa a eficiências de vacinas contra a Covid-19, já afirmou que não tomará nenhuma vacina porque foi infetado pela doença.

O chefe de Estado brasileiro é alvo de nove pedidos de indiciamento num inquérito parlamentar sobre o combate à pandemia no país formulado numa comissão do Senado (câmara alta do Congresso) cujo relatório final deverá ser votado nesta semana.

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo ao contabilizar 605.644 vítimas mortais e mais de 21,7 milhões de casos confirmados de Covid-19.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+