Tempo
|
A+ / A-

COP26. Vai ser "mais difícil" acordo global do que na cimeira de Paris

23 out, 2021 - 13:53 • Lusa

Espera-se que as negociações sejam complicadas face ao contexto geopolítico, com Londres e Washington a manterem relações mais tensas do que antes com a China e a Rússia.

A+ / A-

O presidente britânico da COP26, Alok Sharma, admitiu este sábado que será "definitivamente mais difícil" chegar a um acordo global no final da cimeira do clima, que começa dia 31 em Glasgow, do que na de Paris em 2015.

Após a abertura da COP26, a 31 de outubro, na Escócia, o Governo britânico tem duas semanas de reuniões para persuadir cerca de 200 países a fazer mais pela redução das emissões de carbono, numa tentativa de manter o aquecimento global abaixo de 1,5°C, um limiar estabelecido em 2015 pelos acordos de Paris.

"O que estamos a tentar fazer aqui em Glasgow é na verdade muito difícil", disse Alok Sharma ao jornal britânico The Guardian, "definitivamente mais difícil do que Paris em muitos níveis".

O presidente da COP26 considerou “brilhante" o acordo-quadro de Paris, mas salientou que "muitas das regras detalhadas foram deixadas" para o futuro, como se nessa cimeira tivessem "chegado ao final do exame e apenas as perguntas mais difíceis sobrassem", e defendeu estarem a ficar "sem tempo", pois "o exame termina em meia hora".

Espera-se que as negociações sejam complicadas face ao contexto geopolítico, com Londres e Washington a manterem relações mais tensas do que antes com a China e a Rússia, cujos dois presidentes não devem comparecer à cimeira.

Greve climática estudantil mobiliza milhares de jovens por todo o mundo
Greve climática estudantil mobiliza milhares de jovens por todo o mundo

"Talvez as estrelas estivessem alinhadas de maneira diferente no caminho para Paris", reconheceu Sharma.

Desde a assinatura dos Acordos de Paris em 2015, a transição para uma economia e energia mais limpas progrediu, mas muito lentamente para limitar o aquecimento a 2°C, em comparação com o final do século XIX.

Em agosto, o último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) alertava para o risco de atingir o limite de 1,5° C por volta de 2030, dez anos antes do previsto na anterior estimativa de 2018.

“O que funciona a nosso favor é que há uma consciência de que devemos enfrentar” esta crise climática, disse Alok Sharma, esperançoso, lembrando que “o relatório do IPCC, mesmo que muito alarmante, foi bastante útil para ajudar a focar mentes".

A COP 26 realiza-se Glasgow, Reino Unido, de 31 de outubro a 12 de novembro.

A Lei Europeia do Clima, que entrou em vigor em julho depois de um acordo alcançado entre o Parlamento Europeu e a presidência portuguesa do Conselho da UE, consagra na legislação europeia o seu compromisso para com a neutralidade climática e a meta intermédia de reduzir as emissões líquidas de gases com efeito de estufa em, pelo menos, 55% até 2030.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+