Tempo
|
A+ / A-

Moçambique. PR apela a quem alinhou pelos insurgentes que se entregue

04 out, 2021 - 12:28 • Lusa

Segundo Filipe Nyusi os rebeldes têm estado a fugir às forças de Defesa e Segurança de Moçambique, em operação conjunta com o Ruanda e com a SADC

A+ / A-

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, apelou esta segunda-feira aos moçambicanos que integraram grupos rebeldes em Cabo Delgado, para que deixem de fugir e se entreguem às Forças de Defesa e Segurança (FDS).

"Queríamos convidar para, sozinhos, não esperarem a morte por perseguição, não é essa intenção das FDS: de uma forma ordeira, entreguem-se, para não serem atingidos inocentemente, porque não têm para onde ir", referiu.

Nyusi falava num discurso durante as cerimónias do Dia da Paz, que se assinala esta segunda-feira em Moçambique, feriado alusivo à assinatura do Acordo Geral de Paz, em 1992, entre o governo da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) e a Resistência Nacional Moçambicana (Renamo).

Em Cabo Delgado (norte de Moçambique), uns foram recrutados, outros aderiram voluntariamente a grupos insurgentes, que agora parecem estar em debandada devido a uma ofensiva militar conjunta.

"Saíram de uma aldeia destruída, já têm medo ou pena de voltar para lá e estão a correr de um lado para outro a ser perseguidos infinitamente", disse Nyusi, face a operações militares com o apoio do Ruanda e da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) que estão desde julho a recuperar terreno aos insurgentes.

"Viu-se isso antes de ontem", sábado, disse Nyusi, dando o exemplo de proteção à população durante um incidente com rebeldes.

Segundo descreveu, foi uma "tentativa que pregou susto à população de Namitile onde o inimigo fez tiros para o ar para tentar recuperar algumas senhoras do Niassa", província vizinha.

"Essas senhoras estão connosco, vamos protegê-las e não podem ser resgatadas pelo inimigo", disse.

Filipe Nyusi disse que, em Cabo Delgado, "os combates estão a acontecer" e fazem com que "o inimigo não encontre um espaço permanente", depois da "destruição da base Mbau, Siri 1, Siri 2 e outras bases" onde o "inimigo se escondia".

"Temos a certeza que há dirigentes ou líderes dessas forças que estão a fugir, até para fora do país", acrescentou.

A província de Cabo Delgado é rica em gás natural, mas aterrorizada por rebeldes armados, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

O conflito já provocou mais de 3.100 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e mais de 817 mil deslocados, segundo as autoridades moçambicanas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+