Tempo
|
A+ / A-

Congresso dos EUA em ritmo de contrarrelógio em vários temas quentes

30 set, 2021 - 00:13 • Lusa

A aprovação de um orçamento temporário deve ser a tarefa mais fácil, por existir consenso. Mas, perante o ambiente explosivo em um Congresso com fortíssimas divisões partidárias, tudo se pode complicar.

A+ / A-

Os congressistas dos EUA estão empenhados em uma corrida contrarrelógio para aprovarem um orçamento antes de sexta-feira, para evitar que o governo federal fique subitamente sem acesso a financiamento, enquanto discutem outros temas quentes para a Casa Branca.

A questão é tão relevante que o presidente Joe Biden anulou uma deslocação a Chicago para ficar em Washington e liderar as negociações com dois congressistas chave do seu partido.

O ex-senador Biden, que elogia os seus talentos de conciliador, espera conseguir retirar os seus projetos gigantescos de investimento, em infraestruturas e reformas sociais, do impasse em que as lutas fratricidas entre democratas os colocaram.

"O nosso objetivo é conseguir estes dois votos, de fazer estes dois importantes projetos de lei passarem a linha de meta", declarou a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki.

Ao mesmo tempo, uma outra missão crucial está perante os congressistas: evitar o colapso das finanças públicas.

Por um lado, devem aprovar nas próximas horas um mini-orçamento válido até dezembro, para evitar a paralisia do governo federal, porque o atual acaba à meia noite de quinta-feira, dia 30 de setembro. O ano orçamental nos EUA decorre entre 1 de outubro e 30 de setembro.

Por outro lado, têm de elevar o limite da dívida federal até 18 de outubro, sob pena de os EUA entrarem em incumprimento, o que seria algo inédito.

A aprovação de um orçamento temporário deve ser a tarefa mais fácil, por existir consenso. Mas, perante o ambiente explosivo em um Congresso com fortíssimas divisões partidárias, tudo se pode complicar.

O chefe da maioria democrata no Senado, Chuck Schumer, indicou que uma votação pode ter lugar na quarta-feira sobre um texto, que prolongaria o orçamento atual até 03 de dezembro. Devem existir votos dos senadores republicanos suficientes para a sua aprovação. Depois, deve ser aprovado na Câmara dos Representantes, controlada pelos democratas, antes de ser promulgado por Biden.

Mas, ao fim da manhã de quarta-feira, o calendário dos votos ainda não estava definido e pode ser prolongado para quinta-feira.

Ora, se este novo orçamento não for aprovado pelo Congresso a tempo, todos os fundos dos serviços federais vão ficar indisponíveis subitamente na sexta-feira, dia 1 de outubro, o designado 'shutdown'.

Ministérios, mas também parques nacionais, alguns museus e um conjunto vasto de organismos seriam afetados, forçando centenas de milhares de funcionários públicos a um desemprego técnico.

Uma instabilidade que ninguém quer em um momento onde numerosos dossiers legislativos agitam Washington. Desde logo, o espetro de um incumprimneto dos EUA.

Isto porque, mesmo que seja evitado um 'shutdown', o problema do limite da dívida permanece por resolver.

Se não for suspenso ou elevado, os EUA ficarão sem dinheiro em 18 de outubro, preveniu a secretária do Tesouro, Janet Yellen.

"O tempo está contado, o perigo é real", reforçou Chuck Schumer.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+