Tempo
|
A+ / A-

Opositora bielorrussa vence prémio Havel de Direitos Humanos

27 set, 2021 - 16:03 • Lusa

Maria Kolesnikova agraciada pelo Conselho da Europa pelo seu ativismo contra a ditadura de Alexander Lukashenko.

A+ / A-

A opositora bielorrussa Maria Kolesnikova, que cumpre um ano de prisão, foi esta segunda-feira agraciada com o prémio Václav Havel de Direitos Humanos, da Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa (PACE).

Uma irmã de Kolesnikova, Tatsiana Khomich, recebeu o prémio - de 60.000 euros, bem como um troféu com a assinatura do falecido ex-Presidente checo que dá o seu nome e ainda um diploma - na abertura da sessão de outono da PACE em Estrasburgo.

Perante os parlamentares dos 47 Estados-membros da organização europeia, Khomich descreveu o prémio como "fantástico" e garantiu que a sua irmã "diria que é dedicado ao povo bielorrusso e aos presos políticos que lutam pela liberdade".

Khomich elencou os nomes de alguns presos políticos bielorrussos, denunciou que "há milhares de pessoas na prisão" e, neste contexto, mostrou-se satisfeita com o facto de a irmã contar com o apoio da "comunidade internacional democrática".

A irmã de Kolesnikova referiu-se ainda à situação dos prisioneiros bielorrussos, que disse estarem "em condições tremendas, com acusações fabricadas e injustas e sem condenação", sublinhando que o seu número "continua a crescer".

Khomich disse que o prémio "é um sinal claro para as autoridades bielorrussas de que o mundo não tolerará graves violações dos direitos humanos e que não aceita o que está a acontecer hoje na Bielorrússia".

O presidente da PACE, o belga Rik Daems, afirmou que a vencedora do prémio "está muito próxima do espírito de Václav Havel", acrescentando que o "seu crime é querer participar no futuro do seu país e enfrentar um regime que respondeu com brutalidade aos protestos pacíficos".

A candidatura de Kolesnikova a este prémio derrotou outros dois candidatos da lista, a associação Repórteres Sem Fronteiras e o defensor dos direitos humanos do Burundi, Germain Rukuki.

O prémio, que vai na sua nona edição, visa distinguir ações excecionais da sociedade civil em defesa dos direitos humanos.

Criado em memória do ex-checoslovaco e posteriormente Presidente checo e símbolo da luta contra o totalitarismo, o prémio é decidido por um júri de seis especialistas internacionais nomeados pela PACE, a Biblioteca Václav Havel e a Fundação Carta 77.

Nas edições anteriores, foram premiados o opositor bielorrusso Ales Bialiatski, o Centro do Memorial pelos Direitos Humanos Chechenos, a ativista yazidi Nadia Murad, o juiz turco Murat Arslan, a ativista russa Ludmila Alexeeva e o saudita Loujain Alhathloul.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+