Tempo
|
A+ / A-

Covid-19. OMS alerta para défice de quase 470 milhões de vacinas em África em 2021

16 set, 2021 - 19:32 • Lusa

Este défice surge num momento em que África acabou de ultrapassar um total acumulado de oito milhões de casos de infeção pela doença.

A+ / A-

A Organização Mundial de Saúde (OMS) disse esta quinta-feira que o continente africano precisa de mais quase 470 milhões de vacinas para combater a pandemia da Covid-19, perante um corte de 150 milhões de doses da iniciativa Covax.

"Como o consórcio Covax foi forçado a cortar, em cerca de 150 milhões de doses, as entregas de vacinas da Covid-19 previstas para a África este ano, o continente enfrenta um défice de quase 500 milhões de doses, face ao que é o seu objetivo global de vacinação total de 40% da sua população" até ao final de 2021, referiu a representação da OMS para o continente africano, em comunicado.

Isto, apesar de "cerca de 95 milhões de doses adicionais" estarem previstas chegar a África, via Covax, "durante todo o mês de setembro", sublinha o escritório da organização, com sede em Brazzaville, na República do Congo.

Segundo a OMS África, com o corte de 150 milhões de doses espera-se agora que sejam entregues 470 milhões de doses no continente africano, este ano, que "serão suficientes para vacinar apenas 17% da população, muito abaixo do objetivo de 40%".

Pelo que "são necessárias mais 470 milhões de doses para atingir a meta do fim do ano", mesmo que todos os envios planeados, através da Covax e da União Africana sejam entregues.

Este défice surge num momento em que África acabou de ultrapassar (esta semana) um total acumulado de oito milhões de casos de infeção pela doença.

"As proibições de exportação e o açambarcamento de vacinas têm um efeito de asfixia no fornecimento de vacinas a África. Enquanto os países ricos bloquearem a Covax fora do mercado, a África falhará os seus objetivos de vacinação. A enorme lacuna na equidade das vacinas não está a ser ultrapassada com a rapidez suficiente. É tempo de os países fabricantes de vacinas abrirem os portões e ajudarem a proteger aqueles que enfrentam o maior risco", defende Matshidiso Moeti, diretora regional da OMS para África, citada no comunicado.

A responsável refere que "a iniquidade espantosa e o grave atraso nos carregamentos de vacinas ameaça transformar zonas em África, com baixas taxas de vacinação, em locais de reprodução para variantes resistentes à vacina".

Isto "pode acabar por levar o mundo inteiro de volta à estaca zero", alerta Moeti.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+