Tempo
|
A+ / A-

"Sistema médico afegão está em colapso"

13 set, 2021 - 17:36 • Redação

Português António Vitorino faz apelo à comunidade internacional durante reunião das Nações Unidas sobre o Afeganistão.

A+ / A-

O sistema médico afegão está em colapso, afirmou esta segunda-feira o diretor-geral da Organização Internacional das Migrações (OIT), António Vitorino, durante a reunião das Nações Unidas sobre o Afeganistão, que decorre em Genebra.

António Vitorino ressalva que são muitas as dificuldades do país, desde água, comida a dinheiro, mas são sobretudo os cuidados médicos que se tornam nesta altura essenciais.

“Comida, dinheiro, água potável, abrigo, proteção, é o que temos estado a levar para o Afeganistão com a ajuda dos mais de 700 elementos da nossa organização. Mas há uma área onde a ajuda é essencial: ajuda médica. O sistema de saúde afegão está em colapso e fornecer ajuda de medicamentos é essencial, porque o número de casos de Covid-19 está a aumentar.”

Neste encontro promovido pela ONU, o diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Gebreyesus, pediu também ajuda para mais de 500 clínicas e hospitais que podem apoiar a população afegã.

Tedros Gebreyesus diz que são necessários mais de seis milhões de dólares para que a ajuda médica chegue a quase três milhões e meio de pessoas até ao final do ano.

“A nossa organização conseguiu identificar mais de 500 clínicas e hospitais que podem ajudar a população local. Para isso, precisamos de mais de seis milhões de dólares para que estas unidades medicas consigam apoiar perto de 3,4 milhões de pessoas até ao final do ano.”

A OMS pediu também ajuda às Nações Unidas para continuem a encontrar outras formas de levar apoio humanitário através de novas pontes aéreas e terrestres.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, abriu a conferência internacional alertando que o país enfrenta as suas "horas mais difíceis" e precisa de mais ajuda internacional para ultrapassá-las.

"É o momento de a comunidade internacional estar com eles", sublinhou Guterres, indicando que mesmo antes de os talibãs retomarem o poder no Afeganistão, o país já experimentava "uma das piores crises humanitárias do mundo".

A reunião ministerial internacional pretende recolher da comunidade internacional 606 milhões de dólares (cerca de 513 milhões de euros) - numa altura em que um em cada três afegãos "não sabe quando será a sua próxima refeição", frisou Guterres, e centenas de milhares de pessoas tiveram que abandonar as suas casas -- mas também reafirmar os direitos dos afegãos, ameaçados pelos talibãs, sobretudo os das mulheres.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+