Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Afeganistão. Ex-Presidente pede "desculpa" por não ter evitado o regresso dos talibãs

08 set, 2021 - 18:51 • Lusa

Refugiado nos Emirados Árabes Unidos, Ashraf Ghani lamenta que "não ter conseguido que as coisas terminassem de forma diferente".

A+ / A-

O ex-Presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani, cuja fuga em 15 de agosto abriu as portas de Cabul e do poder aos talibãs, apresentou esta quarta-feira as suas desculpas ao povo afegão por ter conseguido garantir um melhor futuro para o país asiático.

"É com um profundo lamento que o meu próprio capítulo se concluiu com uma tragédia semelhante à dos meus antecessores, sem assegurar a estabilidade e a prosperidade [do Afeganistão]. Peço desculpa ao povo afegão por não ter conseguido que as coisas terminassem de forma diferente", declarou em comunicado.

As declarações de Ghani, que se refugiou nos Emirados Árabes Unidos para "evitar um banho se sangue" no seu país, seguem-se às declarações da União Europeia e os Estados Unidos, que esta quarta-feira reagiram negativamente à composição do Governo interino afegão, que inclui a velha guarda talibã, mas nenhuma mulher, e contraria as promessas de abertura do regime.

De regresso ao poder desde meados de agosto, os talibãs apresentaram na terça-feira um Governo que não é nem "inclusivo" nem "representativo" da diversidade étnica e religiosa do Afeganistão, lamentou a UE, na mais severa crítica de Bruxelas dirigida ao atual regime.

O novo executivo integra diversas personalidades talibãs já muito influentes há duas décadas, quando os islamitas impuseram um estrito regime fundamentalista entre 1996 e 2001.

Numa reação oficial, os Estados Unidos também denunciaram a ausência de mulheres e manifestaram "preocupação" pelas "filiações e os antecedentes de alguns desses indivíduos", apesar de indicar que devem ser avaliados "pelos seus atos".

Esta quarta-feira, o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, deve reunir-se na Alemanha com os seus homólogos de 20 países envolvidos na caótica retirada do Afeganistão, para coordenar as suas posições.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António J G Costa
    09 set, 2021 Cacém 10:15
    E fazer o quê? A seguir à invasão americana de 2001 os talibãs fugiram. Só em 2005 estavam em condições de contra-atacar. E os americanos, o que fizeram? Em vez de levar a julgamento por crimes contra a Humanidade os comandantes mujahedin, colocaram no poder os mesmos senhores da guerra, corruptos, que tinha lançado o Afeganistão numa sangrenta guerra civil. (Os comandantes mujhaedin, apos a queda do governo pró-sovietico tinha-se envolvido numa luta pelo poder, devastando o Afeganistão) ... Em 2005 os talibãs retomaram a ofensiva. Ninguém, nestes 4 anos (2001-2005), se preocupou em Educar e Ajudar o povo afegão das zonas rurais. Bem, quem fez alguma coisa foram as forças anti-ocidentais: criaram centros de radicalização nos campos de refugiados e mesmo nos países ocidentais. Bin Laden e os seus seguidores não ficaram a dormir!

Destaques V+