Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Bruxelas e AstraZeneca chegam a acordo para pôr fim a litígio sobre vacinas

03 set, 2021 - 09:48 • Lusa

A farmacêutica deve entregar, além dos cerca de 100 milhões de doses até ao final do segundo trimestre deste ano, outras 200 milhões de doses de vacinas.

A+ / A-

A Comissão Europeia e a AstraZeneca chegaram a um acordo para garantir a entrega, por parte da farmacêutica, das restantes 200 milhões de doses de vacinas anticovid-19 acordadas com Bruxelas, visando pôr fim ao litígio em tribunal.

Em comunicado, o executivo comunitário assinala ter chegado “hoje a um acordo que garantirá a entrega das restantes doses de vacina contra a covid-19 aos Estados-membros nos termos do acordo de compra antecipada celebrado a 27 de agosto de 2020 com a AstraZeneca”.

Tal consenso irá “pôr fim ao litígio pendente perante um tribunal de Bruxelas”, assinala a instituição.

Em concreto, este acordo prevê o “compromisso firme” da AstraZeneca de entregar, para além dos cerca de 100 milhões de doses entregues até ao final do segundo trimestre deste ano à União Europeia (UE), outras 200 milhões de doses de vacinas.

Previsto está que 135 milhões dessas doses cheguem aos países da UE até ao final deste ano (60 milhões de doses até ao final do terceiro trimestre e 75 milhões de doses até ao final do quarto trimestre) e as restantes (65 milhões de doses) até ao final de março de 2022.

Tais entregas “elevarão o número total de doses entregues para 300 milhões de doses, tal como acordado ao abrigo do contrato”, adianta a Comissão Europeia na informação divulgada à imprensa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    03 set, 2021 Lisboa 09:52
    Agora? Agora que a parte pior da crise está ultrapassada é que os tipos da Astrazeneca se "comprometem" a entregar as doses em falta que devem ir para o lixo ou entregues de borla a África pois entretanto essas doses, que eram dramaticamente necessárias na altura, foram compradas à Pfizer? E a Ursula medíocre mais a UE sem garras, alinham nisto? Não é de admirar o cada vez maior afastamento dos votantes e o aparecimento de radicais.

Destaques V+