Tempo
|
A+ / A-

Covid-19. Impurezas detetadas em vacina da Moderna no Japão são partículas de aço inoxidável

01 set, 2021 - 21:03 • Lusa

Em comunicado, o fabricante norte-americano da vacina adianta que as doses dos três lotes serão recolhidas e inutilizadas a partir de quinta-feira.

A+ / A-

As impurezas detetadas no Japão num lote da vacina da Moderna contra a Covid-19 são partículas de aço inoxidável, mas não representam "risco excessivo para a segurança" das pessoas, indicou esta quarta-feira a empresa biotecnológica norte-americana.

Há cerca de uma semana, o Japão suspendeu a utilização de três lotes da mesma série da vacina contra a Covid-19 da Moderna, o equivalente a 1,63 milhões de doses, após relatos de centros de vacinação da presença de impurezas em frascos por abrir de um dos lotes.

Em comunicado, o fabricante norte-americano da vacina adianta que as doses dos três lotes serão recolhidas e inutilizadas a partir de quinta-feira.

Análises feitas pela empresa a um dos lotes revelaram a presença de partículas de aço inoxidável.

A Moderna assegura, em comunicado, que "a presença rara de partículas de aço inoxidável na vacina não representa risco excessivo para a segurança" das pessoas, acrescentando que este metal é muito utilizado na indústria alimentar e em válvulas cardíacas.

"Partículas metálicas injetadas num músculo poderão provocar uma reação local [no sítio da injeção], mas não deverão 'a priori' provocar outras reações adversas", sustenta a Moderna, que assina o comunicado com a empresa farmacêutica Takeda, que distribui a vacina no Japão, assinalando que "não se espera que a injeção das partículas identificadas resultem num risco médico acrescido".

O incidente teve origem numa linha de produção de uma empresa farmacêutica contratada em Espanha pela Moderna, a Rovi, que produz a vacina contra a Covid-19 do fabricante americano para mercados fora dos Estados Unidos.

O comunicado da Moderna, citado pelas agências noticiosas internacionais, não esclarece se o lote analisado é o mesmo das doses dadas a dois homens que em agosto morreram no Japão após a toma da segunda dose da vacina.

As vítimas, de 30 e 38 anos, que tiveram febre depois de receberem a vacina, não apresentavam problemas de saúde ou histórico de alergias.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+