Tempo
|
A+ / A-

Concluída retirada dos 20 portugueses que trabalhavam no Afeganistão

23 ago, 2021 - 16:29 • Lusa

Cidadãos nacionais exerciam funções na delegação da União Europeia, na NATO e no aeroporto civil de Cabul.

A+ / A-

Veja também:


O Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) confirmou esta segunda-feira que já foram retirados do Afeganistão os 20 cidadãos portugueses que exerciam funções na delegação da União Europeia (UE), na NATO e no aeroporto civil deste país.

“Concluiu-se, deste modo, a evacuação dos cidadãos portugueses que se encontravam, por razões de trabalho, no Afeganistão”, anunciou o Ministério, em comunicado.

O MNE explicou que a operação foi assegurada pelas instituições europeias e empresas empregadoras e “contou com a colaboração da Direção-Geral dos Assuntos Consulares e das Comunidades Portuguesas do Ministério dos Negócios Estrangeiros, em articulação com as Embaixadas de Portugal em Doha, Abu Dhabi e Islamabad e com o Consulado Geral em Londres”.

Os talibãs passaram a controlar Cabul no dia 15 de agosto, concluindo uma ofensiva iniciada em maio, quando começou a retirada das forças militares norte-americanas e da NATO.

As forças internacionais estavam no país desde 2001, no âmbito da ofensiva liderada pelos Estados Unidos contra o regime extremista (1996-2001), que acolhia no seu território o líder da Al-Qaeda, Osama bin Laden, principal responsável pelos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001.


Crianças entregues a militares e carros abandonados no aeroporto. Imagens do desespero no Afeganistão
Crianças entregues a militares e carros abandonados no aeroporto. Imagens do desespero no Afeganistão

A tomada da capital põe fim a uma presença militar estrangeira de 20 anos no Afeganistão, dos Estados Unidos e dos seus aliados na NATO, incluindo Portugal.

Um porta-voz dos talibãs afirmou esta segunda-feira que estender além do final de agosto os esforços dos países aliados para retirar pessoas do Afeganistão representa uma "linha vermelha" e provocaria "uma reação".

Shuail Shaheen falava à televisão britânica Sky News, na véspera de uma reunião do G7 (grupo dos sete países mais ricos) presidida pelo primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, para analisar a crise afegã e a possibilidade de alargar o prazo para evacuações.

O Reino Unido já retirou do Afeganistão 5.725 pessoas desde 13 de agosto, incluindo 3.100 afegãos, indicou hoje o Ministério da Defesa.

Boris Johnson deverá defender junto dos Estados Unidos uma extensão das operações de retirada em Cabul, durante a cimeira virtual do G7 dedicada ao Afeganistão na terça-feira, disse hoje o secretário de Estado das Forças Armadas britânico, James Heappey, à Sky News.

“Cerca de 10 milhões de crianças no Afeganistão precisam de assistência humanitária para sobreviver. Estima-se que um milhão de crianças irá sofrer de subnutrição aguda grave ao longo deste ano e que poderão morrer sem tratamento”. O alerta é feito pela diretora Executiva da UNICEF.

A previsão é de que as necessidades humanitárias irão aumentar nos próximos meses, agravadas por uma seca grave e a consequente escassez de água, pelas consequências socioeconómicas da pandemia e pelo início do inverno.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+