Tempo
|
A+ / A-

Bolsonaro recebe desfile militar em dia de votação sobre voto impresso

10 ago, 2021 - 17:53 • Lusa

Parada ocorreu num momento em que Bolsonaro tem ameaçado com a não realização de eleições presidenciais no próximo ano, caso o voto impresso não volte a vigorar no país.

A+ / A-

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, recebe, esta terça-feira, em Brasília, um desfile de blindados e tanques de guerra, no mesmo dia da votação sobre o voto impresso, num movimento considerado como uma "trágica coincidência" pelo líder da Câmara dos Deputados.

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, chegou mesmo a afirmar que não apoia a demonstração, que durou cerca de dez minutos, na qual as Forças Armadas realizaram um desfile na Esplanada dos Ministérios com tanques e armamentos.

Apesar de afirmar que se trata de um desfile inédito, Lira não acredita que este esteja relacionado com a votação que está agendada para hoje na Câmara dos Deputados e que pede o regresso do voto impresso ao país, amplamente defendido por Bolsonaro.

"No país polarizado, isso dá cabimento para que se especule algum tipo de pressão. Entramos em contacto com o Presidente Bolsonaro, que garantiu que não há esse intuito. Mas não é usual, é uma coincidência trágica (...). Isso apimenta este momento", afirmou Lira.

No entanto, o presidente da Câmara dos Deputados abriu a possibilidade de adiar a votação da proposta para evitar a coincidência de datas.

Parada militar de Bolsonaro Foto: Joedson Alves/EPA
Parada militar de Bolsonaro Foto: Joedson Alves/EPA
Parada militar de Bolsonaro Foto: Joedson Alves/EPA
Parada militar de Bolsonaro Foto: Joedson Alves/EPA
Parada militar de Bolsonaro Foto: Joedson Alves/EPA
Parada militar de Bolsonaro Foto: Joedson Alves/EPA
Parada militar de Bolsonaro Foto: Joedson Alves/EPA
Parada militar de Bolsonaro Foto: Joedson Alves/EPA

Contudo, a tese de "coincidência" não é unânime, com a imprensa local e parlamentares a avaliarem que o desfile com tanques militares no mesmo dia da votação é uma demonstração de força do chefe de Estado e uma forma de intimidar e pressionar o Congresso pela aprovação da proposta de emenda constitucional (PEC) do voto impresso, que se prevê que saia derrotada.

"Os tanques de guerra para o exibicionismo golpista de Bolsonaro já estão posicionados. Bolsonaro está dobrando a aposta e a reação dos democratas desse país precisa ser enérgica", escreveu a deputada do Partidos dos Trabalhadores (PT) Erika Kokay, na rede social Twitter, partilhando imagens dos tanques estacionados na capital brasileira.

Apesar de a operação ocorrer anualmente em Formosa, no estado de Goiás, é a primeira vez que os tanques passam pelo centro de Brasília, de acordo com a imprensa brasileira.

"Presidente do Supremo Tribunal Federal, Câmara Federal, Senado, Tribunal de Contas da União, Tribunal Superior Eleitoral, Supremo Tribunal de Justiça, Tribunal Superior do Trabalho, Deputados, Senadores...Como ocorre desde 1988, a nossa Marinha realiza exercícios em Formosa/Goiás. Como a tropa vem do Rio, Brasília é passagem obrigatória. Muito me honraria sua presença (...), onde receberei os cumprimentos da Força e lhes desejarei boa sorte na missão", escreveu Bolsonaro no Facebook, assinando o convite como "Chefe Supremo das Forças Armadas".

Segundo a Marinha do Brasil, a Operação Formosa envolveu mais de 2.500 militares das três Forças, sendo a primeira edição em que Exército e Aeronáutica participaram.

No total, foram 150 diferentes equipamentos, entre carros de combate, blindados, aeronaves e lançadores de mísseis e foguetes.

O desfile ocorreu num momento em que Bolsonaro tem ameaçado com a não realização de eleições presidenciais no próximo ano, caso o voto impresso não volte a vigorar no país.

O chefe de Estado tem feito reiteradas críticas às urnas eletrónicas que o país adotou em 1996 e que, segundo a grande maioria dos partidos políticos e a própria justiça eleitoral, acabaram com a fraude nas eleições.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+