Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Países Baixos

Jornalista holandês morre depois de ser baleado cinco vezes

15 jul, 2021 - 17:55 • Redação

Peter R de Vries, conhecido por investigar e escrutinar a máfia e os narcotraficantes holandeses, foi baleado na cabeça à porta de um estúdio de televisão.

A+ / A-

O conceituado jornalista de investigação holandês Peter R de Vries morreu esta quinta-feira, depois de ter sido baleado cinco vezes há nove dias em Amesterdão.

O jornalista de 64 anos, conhecido por investigar a máfia e negócios de narcotraficantes, foi baleado pouco depois de sair de um estúdio de televisão. As autoridades detiveram dois suspeitos.

Num comunicado citado pela BBC, os familiares disseram que de Vries "lutou até ao fim, mas não foi capaz de vencer esta batalha."

"Peter viveu de acordo com as suas convicções: de joelhos não há maneira de se ser livre. Estamos incrivelmente orgulhosos dele e, ao mesmo tempo, inconsoláveis", disse a família, no comunicado publicado pela emissora holandesa RTL, onde trabalhava.

O primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, reagiu à morte do jornalista, afirmando no Twitter que "devemos a Peter R de Vries que a justiça seja levada a cabo".

Também a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, comentou a morte de de Vries. "Os jornalistas de investigação são vitais nas nossas democracias. Temos de fazer tudo para os proteger", disse.

De Vries foi baleado com cinco tiros no dia 6 de julho, com um dos disparos a atingi-lo na cabeça.

O seu trabalho mais reputado centrou-se na investigação sobre o rapto do milionário Freddy Heineken, em 1983. Em 2013, uns dos raptores de Heineken, Willem Holleeder, foi condenado por ameaças ao jornalista e, em 2019, começou a cumprir uma pena perpétua pela morte de cinco pessoas.

De Vries acabaria por escrever um romance sobre o caso, que foi adaptado para cinema.

O jornalista também testemunhou e apoiou várias vezes investigações criminais, especialmente envolvendo narcotraficantes. Foi frequentemente ameaçado e chegou a precisar de escolta policial devido às várias ameaças de que foi alvo, devido às suas investigações.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+