Tempo
|
A+ / A-

Diretor nacional da PJ. “Empresas lícitas criadas na UE” são cada vez mais usadas no crime organizado

25 mai, 2021 - 15:05 • Celso Paiva Sol , Cristina Nascimento

Diretor nacional da Polícia Judiciária diz que restrições da pandemia não travaram ação da grandes organizações criminosas.

A+ / A-

O diretor nacional da Polícia Judiciária (PJ), João Melo, diz que o crime organizado transnacional está a usar cada vez mais empresas criadas legalmente na Europa, para desenvolver as suas atividades ilícitas.

Do tráfico de droga ao tráfico de seres humanos, as redes internacionais estão a usar circuitos legais, como por exemplo empresas de trabalho temporário para traficar e explorar migrantes.

“As organizações criminosas que se dedicam ao tráfico de seres humanos estão a utilizar empresas lícitas criadas na União Europeia para dificultar a deteção e a ligação entre determinada exploração de determinada vítima no país e a disponibildiade desta vítima vinda de outro estado membro da União Europeia”, disse João Melo, numa conferência sobre tráfico de seres humanos que decorre esta terça-feira, no âmbito da presidência portuguesa da União Europeia.

"Temos de ter uma atenção especial sobre a criação e as atividades das empresas que se dedicam a trabalhos temporários, por exemplo”, recomendou

o diretor nacional da PJ revelou ainda que a pandemia não só não travou, como intensificou a ação das grandes organizações criminosas.

“Os traficantes aproveitam-se das vulnerabilidades das pessoas, quer do ponto de vista económico e social, e aproveitam-se, na prática, de todos os fatores que possam aumentar essa vulnerabilidade, por exemplo, os efeitos recentes da pandemia da Covid-19”, explicou.

João Melo dá como exemplo “as dificuldades de acesso que as pessoas têm à justiça”, bem como o recurso a “tecnologias encriptadas para criar um ‘modus operandi’ para o recrutamento e exploração das vítimas através da internet, dificultando a investigação e a resposta judicial”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+