Tempo
|
A+ / A-

Crise migratória

Mais 40 migrantes do Norte de África forçaram vedações e entraram em Melilla

21 mai, 2021 - 21:12 • Lusa

Estas 40 entradas somam-se aos 30 adultos marroquinos que conseguiram aceder à cidade autónoma de Melilla nas diferentes tentativas de saltar a cerca que aconteceram esta sexta-feira de manhã, elevando para 70 o número de pessoas provenientes de Marrocos que entraram de forma irregular em menos de 24 horas.

A+ / A-

Cerca de 40 migrantes de origem magrebina entraram esta sexta-feira em Melilla numa tentativa que aconteceu em plena luz do dia e na qual participaram entre 250 a 300 pessoas, que tentaram forçar uma vedação entre dois rios.

Estas 40 entradas somam-se aos 30 adultos marroquinos que conseguiram aceder à cidade autónoma de Melilla nas diferentes tentativas de saltar a cerca que aconteceram esta sexta-feira de manhã, elevando para 70 o número de pessoas provenientes de Marrocos que entraram de forma irregular em menos de 24 horas.

Fontes da Delegação do Governo em Melilla indicaram que esta última entrada aconteceu pouco antes das 18:00 locais (17:00 em Lisboa) na área entre os rios Oro e Farhana.

Entre 250 a 300 pessoas tentaram entrar em Melilla e, após forçaram a vedação dos canais dos dois rios, cerca de 40 conseguiram aceder, todas elas de origem magrebina.

Após estes acontecimentos, foi feito um reforço policial e colocado um perímetro em toda a área do leito dos rios, segundo a Delegação do Governo, que acrescentou que os danos à vedação vão ser reparados ainda esta sexta-feira.

Além disso, o número de militares que fazem parte da operação no local vai ser aumentado e vai passar para "um segundo cenário com vigilância mais reforçada".

Por esse motivo, foi ativado um destacamento das Forças Armadas para apoiar a vigilância e proteção do perímetro fronteiriço, de acordo com a Delegação do Governo.

O número de elementos da Guardia Civil vai também ser aumentado nas próximas horas.

Por outro lado, segundo a delegada do governo em Melilla, Sabrina Moh, essa cidade autónoma e a de Ceuta vivem a crise entre Espanha e Marrocos com "situações totalmente diferentes", argumentando que os perfis das pessoas que entraram ou tentaram entrar "não tem nada a ver", assim como o envolvimento das autoridades marroquinas.

Em conferência de imprensa, a responsável manteve esta sexta-feira a sua posição em diferenciar a situação das duas cidades autónomas uma vez que, no início da semana, Ceuta começou a receber um afluxo maciço de marroquinos, muitos deles menores.

Porém, em Melilla, as duas primeiras noites de pressão fronteiriça, desde que começou a crise em Ceuta, resultaram em tentativas de entrada feitas por pessoas de origem subsaariana, 300 na madrugada de terça-feira e 40 na noite seguinte.

Na madrugada de quinta-feira e desta sexta-feira, o perímetro fronteiriço de Ceuta tem sofrido ameaças de marroquinos, concretamente homens adultos e de complexão mais forte, que usaram a violência.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+