Tempo
|
A+ / A-

Bruxelas disponível para “avaliar” suspensão de patentes das vacinas contra a Covid-19

06 mai, 2021 - 10:19 • Redação

Von der Leyen revelou ainda que a Europa enviou mais de 200 milhões de doses das várias vacinas para outros países, o mesmo montante que foi entregue a europeus.

A+ / A-

Veja também:


Depois dos Estados Unidos, Bruxelas abre agora a porta ao fim das patentes nas vacinas anti-covid. A possibilidade foi avançada pela presidente da Comissão Europeia (CE) no Twitter.

“A nossa prioridade é aumentar a produção para alcançar a vacinação global. Ao mesmo tempo, estamos abertos a discutir qualquer outra solução eficaz e pragmática. Nesse sentido, estamos prontos para avaliar como é que a proposta dos Estados Unidos pode ajudar a atingir esse objetivo“, afirmou Ursula von der Leyen.

Nesta mensagem pede, a curto prazo e enquanto se decidem a questão das patentes, “a todos os países produtores de vacinas que permitam a exportação imediatamente e evitem medidas que interrompam as cadeias de abastecimento”.

Von der Leyen revelou ainda que a Europa enviou mais de 200 milhões de doses das várias vacinas contra a Covid-19 para outros países, o mesmo montante que foi entregue a europeus.

A presidente da CE elogiou o sucesso das campanhas de vacinação dos 27, com “mais de três milhões de europeus vacinados todos os dias”. A UE planeia vacinar 70% de sua população adulta até ao final de julho.

O fim das patentes foi proposto primeiramente em outubro do ano passado pela Índia e a África do Sul à Organização Mundial do Comércio (OMC). Na altura, a ainda administração de Donald Trump opôs-se, juntamente com o Reino Unido, a UE e a Suíça. Contudo, a mudança para a administração de Joe Biden trouxe uma mudança de posição.

Estão aprovadas para uso na União Europeia quatro vacinas: da Pfizer/BioNTech, da Moderna, da AstraZeneca e da Janssen.

A pandemia provocou, pelo menos, 3.230.058 mortos no mundo, resultantes de mais de 154,2 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    06 mai, 2021 Lisboa 13:30
    Foi preciso falarem nisso os "Camones", para a penteadinha-no-Sofá, vir falar no mesmo. E fala a UE em "autonomia" dos EUA. Sem eles, não são ninguém.

Destaques V+