Tempo
|
A+ / A-

Myanmar. Mais oito mortos durante manifestações a pedir “revolução da primavera”

03 mai, 2021 - 08:16 • Olímpia Mairos

Associação revela que até agora 765 pessoas morreram em confrontos com as forças da Junta Militar.

A+ / A-

Milhares de manifestantes marcharam em Myanmar (antiga Birmânia) no domingo pedindo uma “revolução da primavera”. As forças de segurança abriram fogo matando oito pessoas.

Segundo a imprensa local, três pessoas foram mortas na cidade central de Wetlet, duas no estado de Shan, no nordeste, e uma pessoa foi abatida na cidade mineira de jade, no norte de Hpakant.

As manifestações começaram cedo, no centro comercial de Yangon, quando os ativistas pediram uma demonstração de força e uma “revolução de primavera”.

De acordo com a Associação de Auxílio aos Presos Políticos de Myanmar, 765 pessoas morreram em confrontos com as forças da Junta Militar.

Desde o golpe de Estado, foram presas 4.609 pessoas, 3.555 das quais continuam privadas de liberdade.

O Exército de Myanmar justificou o golpe de Estado alegando supostas fraudes eleitorais ocorridas nas eleições de novembro de 2020, em que venceu a Liga Nacional para a Democracia, de Aung San Suu Kyi.

O Papa propôs este domingo, para o mês de maio, uma iniciativa de paz de todos os fiéis a favor do Myanmar. No final do Regina Coeli, a partir da janela do Palácio Apostólico, Francisco referiu-se à maratona de oração que inaugurou no sábado e que, durante todo este mês, reúne 30 santuários marianos espalhados pelo mundo.

Neste contexto de oração mundial, Francisco deixou uma proposta. “Há uma iniciativa de que gosto muito: a da Igreja birmanesa, que convida a rezar pela paz, dedicando ao Myanmar uma Avé Maria do terço diário”.

Embaixadas pedem libertação de jornalistas

As embaixadas dos Estados Unidos, União Europeia e outros 15 países pediram, esta segunda-feira, a reposição da liberdade de imprensa em Myanmar, assim como a libertação imediata dos jornalistas presos desde o golpe de Estado.

"Apelamos à libertação imediata de todos os trabalhadores dos meios de comunicação social, o estabelecimento da liberdade de informação e de comunicação e o fim das restrições ao uso da internet, em Myanmar", refere o comunicado conjunto que assinala o dia da liberdade de imprensa.

Mais de 80 jornalistas foram presos no país, desde o dia 1 de fevereiro, sendo que metade continua na prisão.

As embaixadas elogiaram “o trabalho dos que se esforçam para garantir o acesso à informação”.

O comunicado, citado pela Lusa, critica as restrições impostas aos meios de comunicação social impedidos de difundir notícias, depois das licenças terem sido retiradas pelos militares.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+