Tempo
|
A+ / A-

Tensão diplomática

Rússia proíbe entrada no seu território a vários altos dirigentes dos EUA

16 abr, 2021 - 20:47 • Lusa

Segundo o ministério russo dos Negócios Estrangeiros, os responsáveis norte-americanos participaram "na implementação de uma linha anti-Rússia" seguida pela política norte-americana.

A+ / A-

A Rússia vai proibir a entrada no seu território dos secretários norte-americanos da Justiça e da Segurança Interna, assim como ao conselheiro de política interna, ao chefe do FBI e ao diretor dos serviços secretos.

Além de Merrick Garland, Alejandro Mayorkas, Susan Rice, Christopher Wray e Avril Haines, respetivamente, o ministério dos Assuntos Estrangeiros russo disse ainda que a mesma medida será aplicada ao chefe do gabinete prisional dos EUA, Michael Carvajal, ao antigo conselheiro de Donald Trump, John Bolton, e ao antigo líder da CIA, Robert Wolsey.

Segundo o ministério russo dos Negócios Estrangeiros, todos estes responsáveis participaram de alguma forma "na implementação de uma linha anti-Rússia" seguida pela política norte-americana.

Os nomes, de uma lista normalmente secreta, foram tornados públicos devido ao "caráter inédito" das tensões provocadas por Washington, acrescenta o ministério russo.

As proibições fazem parte de um 'pacote' de medidas anunciado por Moscovo, em resposta às novas sanções decretadas pelos Estados Unidos, tais como a expulsão de diplomatas e a proibição de entrada no seu território a altos funcionários do Estado.

A Rússia disse, no entanto, estar aberta à ideia de uma cimeira entre Vladimir Putin e Joe Biden, o que considera uma proposta "positiva".

A troca de medidas punitivas entre os dois países ocorre num momento em que as relações entre os dois rivais geopolíticos continuam a deteriorar-se, tendo como pano de fundo as acusações de ingerência por parte dos EUA, nomeadamente na eleição presidencial de 2020, assim como de espionagem e ataques cibernéticos.

Washington anunciou na quinta-feira a expulsão de 10 diplomatas russos e a proibição de bancos americanos de comprarem dívida emitida por aquele país desde 14 de junho, em resposta a recentes ataques cibernéticos e à interferência na eleição presidencial de 2020 atribuída a Moscovo.

Moscovo “recomenda” regresso do embaixador norte-americano a Washington

Na resposta, o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, anunciou esta sexta-feira a expulsão de 10 diplomatas norte-americanos acreditados em Moscovo e "recomendou" o regresso a Washington do embaixador na capital russa, John Sullivan.

"Dez diplomatas [russos] foram incluídos na lista que nos foi dada com o pedido de que deixassem os Estados Unidos. Vamos responder a essa medida reciprocamente e pediremos a dez diplomatas norte-americanos na Rússia que deixem o nosso país", afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov.

Numa conferência de imprensa, Lavrov acrescentou também que Moscovo vai adicionar outros oito funcionários norte-americanos à lista de sanções e que irá restringir e impedir as atividades de organizações não-governamentais dos Estados Unidos no país para evitar interferências na política da Rússia.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+