Tempo
|
A+ / A-

Caso Triplex

Supremo Tribunal do Brasil considera que Sérgio Moro foi parcial ao julgar Lula da Silva

23 mar, 2021 - 22:13 • Lusa

Decisão poderá resultar na anulação de todos os processos associados à megaoperação Lava Jato nos quais o antigo juiz atuou. Lula da Silva recuperou os seus direitos políticos e volta a ser elegível para a presidência do Brasil.

A+ / A-

O Supremo Tribunal Federal (STF) brasileiro decidiu esta terça-feira que o antigo juiz e ex-ministro da Justiça Sergio Moro foi parcial ao condenar o antigo Presidente Luiz Inácio Lula da Silva no caso do apartamento triplex do Guarujá, no âmbito da operação Lava Jato.

A decisão anula todo o processo do Caso Triplex, que terá de ser investigado desde o início.

Especialistas em assuntos jurídicos consideram que a suspeição sobre Moro poderá resultar numa eventual anulação de todos os processos associados à megaoperação Lava Jato nos quais o antigo juiz atuou, apesar de vários juízes do Supremo terem manifestado que esta decisão se aplica apenas ao processo de Lula.

A sentença que condenou Lula já tinha sido anulada por outra decisão, determinada pelo juiz do STF Edson Fachin, que apontou a incompetência da Justiça Federal do Paraná para analisar os processos de Lula, e anulou todas as suas condenações no âmbito da Lava Jato de Curitiba.

Isto não quer dizer que o antigo chefe de Estado brasileiro tenha sido ilibado, uma vez que os processos serão remetidos para a justiça do Distrito Federal, que vai reavaliar os casos e pode receber novamente as denúncias e reiniciar os processos anulados.

No entanto, Lula da Silva recuperou os seus direitos políticos e volta a ser elegível para a presidência do Brasil.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+