Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Boris Johnson exprime "sérias preocupações" face às restrições na exportação de vacinas

30 jan, 2021 - 01:15 • Lusa

Face aos atrasos nas entregas da vacina AstraZeneca, a UE criou um mecanismo de controlo de envios para fora da UE das vacinas contra a Covid-19 produzidas neste espaço e para proibir as exportações consideradas "não legítimas". Texto aprovado esta sexta-feira pelos europeus prevê que a Irlanda do Norte seja considerada território para exportação de vacinas.

A+ / A-

Veja também:


Boris Johnson mostra-se preocupado face às restrições à exportação de vacinas.

Numa reunião esta sexta-feira com a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, o primeiro-ministro britânico expressou "sérias preocupações" sobre as restrições impostas às exportações de vacinas contra o novo coronavírus, admitindo que podem comprometer os acordos do Brexit sobre a Irlanda do Norte.

"O Reino Unido tem acordos juridicamente vinculativos com fornecedores de vacinas e não espera que a UE, como amiga e aliada, faça algo para atrapalhar a implementação destes contratos", disse o porta-voz de Boris Johnson.

Diante dos atrasos nas entregas da vacina do laboratório da AstraZeneca, a União Europeia criou um mecanismo para controlar os envios para fora da UE das vacinas contra a Covid-19 produzidas neste espaço e para proibir as exportações não "legítimas".

Um texto aprovado esta sexta-feira pelos europeus prevê que a Irlanda do Norte seja considerada um território para exportação de vacinas.

Isto vai contra o protocolo da Irlanda do Norte celebrado no âmbito do Brexit, que visa evitar o regresso de uma fronteira e controlos aduaneiros entre a Irlanda, um membro da UE, e esta província britânica.

Mas a UE invoca um artigo que lhe permite tomar certas medidas excecionais se a aplicação deste protocolo "causar graves dificuldades económicas, sociais ou ambientais".

Este texto irritou tanto as autoridades da Irlanda do Norte, incluindo a primeira-ministra, Arlene Foster, que qualificou a situação como "um ato hostil incrível".

O primeiro-ministro irlandês, Micheal Martin, manteve "discussões com (...) Ursula von der Leyen para expressar preocupações", de acordo com um porta-voz do Governo irlândes.

O Reino Unido importa vacinas contra a Covid-19 da Pfizer/BioNTech de uma fábrica na Bélgica.

A UE também pediu ao laboratório da AstraZeneca que aproveitasse a produção das fábricas localizadas no Reino Unido para fornecer as doses prometidas aos Vinte e Sete.

A partir de sábado, as farmacêuticas que queiram exportar doses de vacinas contra a Covid-19 terão que pedir autorização ao respetivo Estado-Membro.

As restrições aplicam-se às três vacinas já autorizadas para o espaço comunitário: Pfizer/BioNTech, Moderna e AstraZeneca/Oxford.

Isso pode afetar o programa de vacinação das autoridades britânicas que autorizaram esta vacina há várias semanas, mas aprovado pela Agência Europeia do Medicamento.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+