Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

EUA

Depois de banir Trump, Facebook pede a funcionários que evitem usar roupa com a marca da empresa

12 jan, 2021 - 13:25 • Sofia Freitas Moreira com Redação

Apelo é uma tentativa de proteger a segurança dos funcionários da rede social, após a suspensão da conta do Presidente cessante, Donald Trump.

A+ / A-

O Facebook apelou aos seus funcionários, na segunda-feira, a evitarem usar roupas com a marca da empresa em público, de forma a assegurar a segurança dos mesmos. O pedido surge depois de a rede social ter banido Donald Trump da plataforma.

“À luz dos eventos recentes, e por cautela, encorajamos todos, nesta altura, a evitarem usar ou transportar itens com a marca Facebook”, lê-se num comunicado interno enviado na segunda-feira, de acordo com o site Business Insider.

Na sequência do cerco ao Capitólio norte-americano, o Facebook baniu o Presidente cessante, Donald Trump, por, pelo menos, duas semanas, até à tomada de posse do Presidente eleito, Joe Biden.

A plataforma começou por remover todas as publicações com referência à campanha “Stop the Steal” – “Parem a Contagem” -, que, erradamente, reivindica que as eleições presidenciais de 3 de novembro foram roubadas pelos democratas.

A equipa de segurança da rede social publicou a nota interna num quadro que pode ser acedido por mais de 56.600 funcionários, relata o The Information.

O Facebook foi a primeira grande rede social a banir Trump. Seguiram-se outras quantas, como o Instagram, que pertence ao mesmo grupo do Facebook, e o Snapchat.

Também o Twitter, a rede social de preferência do Presidente, bloqueou o acesso à sua conta depois de Trump ter postado vídeos e mensagens em que, apesar de apelar aos manifestantes para “voltarem para casa”, insistia nas teses de conspiração e fraude eleitoral e de ter dito mesmo que compreendia a frustração dos manifestantes e manifestado o seu apreço por eles.

“Acreditamos que os riscos de permitir que o Presidente continue a usar os nossos serviços durante este período são simplesmente demasiado grandes”, disse Zuckerberg na quinta-feira, num post na mesma rede social.

As redes sociais têm estado sob grande pressão nos últimos tempos para vigiarem mais atentamente os conteúdos que neles são colocados, incluindo de altas figuras de Estado, como é o caso de Donald Trump. Desde as eleições que o Twitter tem estado a assinalar todos os posts de Trump em que ele diz que houve fraude eleitoral.

Caos, violência e mortes. A invasão ao Capitólio em cinco minutos
Caos, violência e mortes. A invasão ao Capitólio em cinco minutos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    05 jun, 2021 Lisboa 11:07
    Apesar de banir Trump ser a decisão mais acertada, todos sabemos que o carácter ético do Facebook deixa muito a desejar, em particular tendo sido criado por quem foi. Eu se trabalhasse para essa empresa também não usaria roupa com a marca deles. Não gostaria de estar associado ao senhor Zuckerberg, conhecido por roubar as ideias aos colegas da universidade.

Destaques V+