Siga-nos no Whatsapp
A+ / A-

Covid-19

"Brasil tem de deixar de ser um país de maricas", atira Bolsonaro

11 nov, 2020 - 09:18 • Redação com agências

O país já ultrapassou os 5,7 milhões de casos e aproxima-se das 163 mil mortes.

A+ / A-

Veja também:


O Presidente brasileiro volta a causar polémica ao afirmar que o Brasil “tem de deixar de ser um país de maricas", referindo-se ao medo em torno da pandemia de Covid-19.

“Tudo agora é pandemia. Tem de acabar esse negócio. Lamento os mortos, lamento. Todos nós vamos morrer um dia. Não adianta fugir disso, fugir da realidade. O Brasil tem de deixar de ser um país de maricas", disse Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto, durante o lançamento de um programa de turismo avança o site da Globo.

“Olha que prato cheio para a imprensa. Temos de lutar. Peito aberto, lutar”, acrescentou o chefe de Estado, em mais uma critica aos órgãos de comunicação, que acusa de denegrirem a sua imagem.

Bolsonaro voltou a defender que a atual pandemia foi “sobredimensionada” e criticou quem referiu a possibilidade de uma segunda vaga da doença no país sul-americano.

“Vocês foram na lona nessa pandemia. Que foi sobredimensionada. A manchete amanhã: 'ah, Bolsonaro não tem carinho, não tem sentimento com quem morreu'. Tenho sentimento com todos que morreram. Mas [foi] sobredimensionado”, sublinhou.

Ao dirigir-se a empresários do setor do turismo do Brasil, o Presidente lamentou as perdas que a pandemia gerou no ramo, culpando taxas e decretos ambientais de prejudicarem o negócio no país.

“Fico preocupado com os empresários do setor, mas há muita coisa que não depende de mim, mas do parlamento e dos governos estaduais", afirmou, criticando ainda o excesso de normas e taxas que se aplicam no setor.

A faturação do turismo do Brasil, um dos setores mais afetados pela pandemia de Covid-19, diminuiu 33,6% entre janeiro e agosto deste ano, face ao mesmo período de 2019.

Desde o início da pandemia, Jair Bolsonaro tem-se mostrado bastante cético em relação à gravidade da doença e opôs-se ao isolamento social, tendo chegado a declarar que o Brasil está entre os países que menos sofreram com a Covid-19. Contudo, o Brasil, com 212 milhões de habitantes, é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo.

Nesta altura, já ultrapassou os 5,7 milhões de casos de covid-19 (5.700.044) e totaliza 162.829 mortes, informou o Governo, frisando que os números são parciais, devido a uma falha técnica no seu sistema.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José J C Cruz Pinto
    11 nov, 2020 Ílhavo 13:15
    Correcção: foi (ou, aliás, não foi) a hidroxicloro...joaquina.
  • José J C Cruz Pinto
    11 nov, 2020 Ílhavo 12:58
    E os coices não são apenas à democracia; são também à própria saúde de todos os bípedes verdadeiramemnte humanos que têm a desdita de com eles partilharem o mesmo País. Quanto à deles, parece que se safaram (do mal o menos, apesar de tudo) - mas, infelizmente, não terá sido com o tal milagroso "desinfectante de um minuto" (nem com a "hidroxocloro ... joaquina").
  • José J C Cruz Pinto
    11 nov, 2020 Ílhavo 11:19
    E que tal se o Brasil, assim como os Estados Unidos e alguns (cada vez mais) outros Países, deixassem de acolher, dar rédea e promover quadrúpedes disfarçados de bípedes, mas aos coices à democracia onde ela ainda existe?
  • Ivo Pestana
    11 nov, 2020 Funchal 10:15
    Ridículo! Votaram nele agora aturem-no.

Destaques V+