A+ / A-

Coronavírus

Rússia pede o registo da sua vacina Sputnik V no Brasil

30 out, 2020 - 19:45 • Lusa

A produção das primeiras doses da Sputnik V será lançada em breve no Brasil, como parte da transferência de tecnologia entre o FIDR e a União Química, informou o órgão russo.

A+ / A-

Veja também:


A Rússia entregou ao Brasil os documentos necessários para solicitar o registo da sua primeira vacina contra o novo coronavírus, a Sputnik V, informou esta sexta-feira o Fundo de Investimento Direto Russo (FIDR) em comunicado.

O fundo soberano da Rússia, em conjunto com a União Química Farmacêutica Nacional e o estado brasileiro do Paraná, apresentou na quinta-feira a documentação à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) do Brasil, órgão regulador do país sul-americano.

A vacina contra a Covid-19 da Rússia, desenvolvida pelo Centro de Investigações Epidemiológica e Microbiologia Gamaleya, foi registada no país em 11 de agosto.

Com base em adenovírus humanos, encontra-se na terceira fase dos ensaios clínicos, nos quais participam mais de 40.000 voluntários da Rússia e de outros países.

A produção das primeiras doses da Sputnik V será lançada em breve no Brasil, como parte da transferência de tecnologia entre o FIDR e a União Química, informou o órgão russo.

“Os esforços de todas as organizações e de todas as pessoas envolvidas no desenvolvimento, testes e produção da vacina Sputnik V no Brasil visam garantir o mais rápido possível o acesso da população ao imunizante, com base nos princípios transparência, segurança e eficiência", acrescentou fundo soberano russo.

Até ao momento, o executivo brasileiro prevê ter disponíveis cerca de 140 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 no primeiro semestre de 2021: 100 milhões de doses do imunizante produzido pelo laboratório AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, e 40 milhões via Covax Facility, iniciativa liderada pela Organização Mundial da Saúde.

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, ao contabilizar o segundo número de mortos (cerca de 5,5 milhões de casos e 158.969 óbitos), depois dos Estados Unidos da América.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 45,1 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+