Tempo
|
A+ / A-

Conselho de Segurança discute pandemia na quinta-feira

07 abr, 2020 - 01:51 • Lusa

A notícia está a ser avançada pela France Press. Reunião vai decorrer à porta fechada.

A+ / A-

Veja também:


O Conselho de Segurança das Nações Unidas vai discutir a situação de pandemia, pela primeira vez, na quinta-feira, após semanas de impasse entre os seus membros, segundo fontes diplomáticas não identificadas pela AFP.

Há uma semana, e após dias de impasse devido a divergências entre os membros permanentes do Conselho de Segurança, nove dos dez membros não permanentes - por iniciativa da Alemanha - reclamaram, formalmente, uma sessão devotada à pandemia do novo coronavírus.

O pedido inclui a audição, nessa sessão, do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, que já disse estar disponível para se reunir com o Conselho de Segurança para abordar a pandemia e o seu apelo a um cessar-fogo global.

A reunião agendada para quinta-feira vai decorrer à porta fechada, às 20h00 (hora de Lisboa), segundo as mesmas fontes diplomáticas ouvidas pela AFP.

O Conselho de Segurança ainda não teve qualquer reunião consagrada à pandemia, nem avançou com uma declaração ou resolução comum.

Atualmente, existe um projeto de resolução apresentado pela Tunísia. Segundo a AFP, que teve acesso à primeira versão do texto, nele se apela a "uma ação internacional urgente para limitar o impacto" da pandemia e também a um "cessar-fogo humanitário mundial", na senda do que pediu António Guterres.

Os membros não permanentes do Conselho - que rejeitam a ideia de um estatuto menor e preferem ser designados "membros eleitos" - manifestam crescente impaciência pelas recorrentes divisões que opõem Estados Unidos e China, com os primeiros a reclamar que o documento que venha a ser aprovado mencione a origem chinesa da pandemia.

Para além disso, Pequim e Moscovo têm-se mostrado reticentes em levar ao órgão uma questão de saúde, que não consideram ameaçadora para a paz e segurança no mundo. Este foi também o argumento da África do Sul para não se juntar ao grupo de membros não permanentes que reclama uma reunião sobre o assunto.

Segundo a AFP, a França - que está também a trabalhar num texto de resolução - preferia que houvesse uma reunião prévia entre os membros permanentes do Conselho de Segurança, que têm direito de veto - China, Estados Unidos, França, Reino Unido e Rússia -, para aplacar as divergências.

O Conselho de Segurança não se reúne fisicamente desde 12 de março e só depois de muita negociação entre os seus membros conseguiu aprovar quatro resoluções, num procedimento inédito por email.

A maioria dos 15 membros do Conselho defende a realização de sessões por videoconferência, mas a Rússia tem-se oposto, com argumentos políticos e jurídicos, insistindo que essas reuniões sejam consideradas informais e fechadas ao público.

A República Dominicana, que assumiu a presidência rotativa do órgão a 1 de abril, já disse que tenciona fazer transmissão direta de algumas reuniões.

Por vontade do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, a sede das Nações Unidas em Nova Iorque mantém-se simbolicamente aberta, apesar de a quase totalidade dos funcionários e diplomatas não se encontrarem nas instalações.

A pandemia já infetou mais de 1,3 milhões de pessoas e já matou quase 75 mil, em todo o mundo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+