Tempo
|
A+ / A-

Moçambique vai entrar em estado de emergência

30 mar, 2020 - 20:17 • Lusa

A decisão de Nyusi ainda tem de ser aprovada pelo Parlamento.

A+ / A-

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, declarou o estado de emergência no país durante o mês de abril, impondo limitações na circulação interna e nas entradas pelas fronteiras, entre outras medidas de prevenção da pandemia provocada pelo novo coronavírus.

O Chefe de Estado deu conta das várias medidas a aplicar, entre elas, "limitar a circulação interna de pessoas em qualquer parte do território nacional".

"Eu disse limitar", frisou, sublinhando mais tarde que as medidas se situam num "nível 3" de restrições, abaixo do "nível 4" já em vigor noutros países, como por exemplo, o recolher obrigatório em curso desde sexta-feira na África do Sul.

A declaração não entra em detalhes sobre como se vai processar a limitação à circulação, referindo Filipe Nyusi que o Governo, através do Conselho de Ministros, anunciará mais pormenores.

A declaração do estado de emergência, que ainda terá de ser aprovada pelo Parlamento, inclui a proibição de todo o tipo de eventos públicos ou privados, "exceto questões inadiáveis do Estado" e o encerramento de estabelecimentos comerciais de diversão ou equiparados ou, quando aplicável, a sua redução de atividade.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 727 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 35 mil. Dos casos de infeção, pelo menos 142.300 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

De acordo com o Centro para a Prevenção e Controlo de Doenças da União Africana (CDC África), já morreram pelo menos 152 pessoas e 4.871 pessoas ficaram infetadas no continente.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+