Tempo
|
A+ / A-

Arábia Saudita suspende entrada de peregrinos para Meca e Medina

27 fev, 2020 - 07:55 • Lusa

China espera ter surto do coronavírus Covid-19 sob controlo no final de abril. O balanço provisório é de 2.800 mortos e mais de 82 mil pessoas infetadas.

A+ / A-

A Arábia Saudita suspendeu temporariamente a entrada de peregrinos que visitam a mesquita do profeta Maomé e os lugares sagrados do Islão em Meca e Medina, bem como turistas de países afetados pelo coronavírus Covid-19.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros saudita publicou uma lista de medidas para "prevenir e eliminar" a expansão do novo coronavírus, que inclui a "suspensão temporária da entrada no reino para os propósitos da 'umra'", uma peregrinação a Meca que pode ser realizada a qualquer altura do ano.

O ministério também informou que a entrada no reino com vistos de turista está impedida a pessoas de países afetados pelo novo coronavírus.

Embora mais de 30 países tenham casos diagnosticados com Covid-19, a China soma 95% dos casos de infeção pelo novo coronavírus a nível mundial.

O balanço provisório da epidemia do coronavírus Covid-19 é de 2.800 mortos e mais de 82 mil pessoas infetadas, de acordo com dados de 48 países e territórios.

Das pessoas infetadas, mais de 33 mil recuperaram.

Além de 2.744 mortos na China, onde o surto começou no final do ano passado, há registo de vítimas mortais no Irão, Coreia do Sul, Itália, Japão, Filipinas, França, Hong Kong e Taiwan.

Surto sob controlo no final de abril?

A China espera ter o surto do cornavírus Covid-19 sob controlo no final de abril, disse hoje o chefe da equipa de médicos especialistas da Comissão Nacional de Saúde da China, o pneumologista Zhong Nanshan.

"A China está confiante de que vai controlar o surto, em termos gerais, até ao final de abril", disse Zhong, numa conferência de imprensa, em Cantão, a capital da província de Guangdong.

O médico garantiu que, "embora tenha havido um grande surto em Wuhan, a doença não se espalhou de forma maciça em outras cidades".

O especialista em doenças respiratórias disse que o número de casos na China começou a diminuir após 15 de fevereiro "devido à forte intervenção do Estado" e aos "cancelamentos de viagens após as férias do Ano Novo Lunar", entre 24 e 30 de janeiro, mas que foram prolongadas para evitar a propagação da doença.

Segundo os dados atualizados pela Comissão Nacional de Saúde da China, até à meia-noite de hoje (16h00 de quarta-feira em Lisboa), a China somava um total de 2.744 mortos e 78.497 casos confirmados.

Entre os casos confirmados, 43.258 ainda estão ativos e 8.346 encontram-se em estado grave. Mais de 32.400 pessoas já receberam alta após superarem a doença.

Zhong disse que as previsões de alguns especialistas estrangeiros, que estimaram que o número de casos na China ia atingir os 160.000, "não tiveram em conta a intervenção do Governo chinês".

Zhong disse que a China deve agora "cooperar e partilhar a sua experiência com outros países", face ao rápido aumento de casos na Coreia do Sul, Itália ou Irão.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+