A+ / A-

​Uma das maiores tartarugas que viveram na Terra tinha carapaça com "chifres"

12 fev, 2020 - 21:09 • Lusa

'Stupendemys geographicus', que andou pela Terra há cinco a dez milhões de anos, pesava mais de uma tonelada e foi encontrada na Venezuela.

A+ / A-

Uma das maiores tartarugas que viveram na Terra, há cinco a dez milhões de anos, tinha uma carapaça com "chifres" no caso dos machos, que podia atingir quase três metros de comprimento.

A espécie 'Stupendemys geographicus', que habitou uma região húmida e pantanosa, foi descrita pela primeira vez em meados da década de 1970 como sendo nativa de uma área que atualmente é desértica, na Venezuela.

Agora, paleontobiólogos revelaram novos detalhes da extinta tartaruga, além das conhecidas dimensões da carapaça, com base em fósseis descobertos recentemente não só na Venezuela, mas também na Colômbia.

Segundo os especialistas, a tartaruga 'Stupendemys geographicus' pesaria 1,1 toneladas, quase 100 vezes mais do que a tartaruga-de-cabeça-grande-do-Amazonas, a espécie mais próxima que pode ser encontrada no Equador, na Colômbia, no Brasil e na Venezuela.

Ao contrário da carapaça das fêmeas, a dos machos ostentava junto à cabeça duas saliências que se assemelham a chifres, um dimorfismo sexual descrito pela primeira vez para um dos maiores grupos de tartarugas.

"A carapaça de alguns dos espécimes chegava quase aos três metros, tornando a 'Stupendemys' numa das maiores tartarugas, senão a maior, que alguma vez existiram", afirmou, citado em comunicado pela universidade suíça de Zurique, o coordenador da investigação, Marcelo Sánchez, que dirige o Instituto Paleontológico e Museu da instituição.

Apesar do seu tamanho, esta tartaruga terá tido como predador o 'Purussauro', uma espécie de réptil que viveu no mesmo período e que era semelhante ao jacaré e ao caimão, deduziram os peritos, com base nas marcas de mordidelas encontradas nas carapaças fossilizadas.

A análise dos fósseis descobertos na Venezuela e na Colômbia, e também no Brasil, levou os autores do estudo a concluírem que a tartaruga terá habitado uma área geográfica mais extensa do que se pensava anteriormente, equivalente a toda a atual região nordeste da América do Sul.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+