Tempo
|
A+ / A-

Governo iraquiano convocou embaixador dos EUA, Trump identifica 52 alvos no Irão

05 jan, 2020 - 17:28 • Redação com Lusa

Vice-ministro dos Negócios Estrangeiros do Iraque comunicou que o ataque representa “uma violação flagrante" da soberania do país e de "todas as normas e leis internacionais".

A+ / A-

O Governo iraquiano convocou este domingo o embaixador norte-americano em Bagdad para condenar o ataque que matou um general iraniano, isto já depois de o Parlamento pedir a expulsão de tropas norte-americanas do Iraque, uma medida não vinculativa.

O vice-ministro dos Negócios Estrangeiros do Iraque, Abdulkarim Hashem Mustafa, convocou o embaixador dos EUA em Bagdad, Matthew Tueller, para lhe transmitir a condenação ao ataque aéreo norte-americano em território iraquiano que vitimou o comandante da força de elite iraniana Al-Quds, Qassem Soleimani.

Na conversa com o embaixador dos EUA, Mustafa enfatizou que o ataque representa “uma violação flagrante da soberania do Iraque, de todas as normas e leis internacionais que regulam as relações entre os países”, segundo um comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros iraquiano.

O vice-ministro afirmou ainda que o ataque violou “as regras acordadas com a coligação internacional, cuja missão se limita a combater o [grupo terrorista] Estado Islâmico e treinar as forças de segurança iraquianas, sob a supervisão do Governo iraquiano”.

Na mesma manhã em que decorreu esta reunião, o parlamento iraquiano aprovou uma resolução em que pede ao Governo para rasgar o acordo com os EUA, estabelecido em 2016, em que Washington se compromete a ajudar na luta contra o Estado Islâmico.

A maioria dos 180 deputados presentes no parlamento, na sessão extraordinária de hoje, votou favoravelmente esta resolução, apoiada pelos membros xiitas, que detêm a maioria dos assentos.

Há 52 alvos identificados no Irão, garante Trump

A tensão a Médio Oriente não parece dar sinal de poder acalmar nos próximos dias. O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, já tinha, também este domingo, advertido Teerão de que os Estados Unidos identificaram 52 locais no Irão e que os atacarão “muito rapidamente e duramente” se a República Islâmica atacar pessoal ou alvos americanos.

Alguns desses locais iranianos “são de muito alto nível e muito importantes para o Irão e para a cultura iraniana”, precisou Donald Trump numa mensagem da sua conta da rede social Twitter.

“Os Estados Unidos não querem mais ameaças”, acrescentou.

Donald Trump disse ainda que o número de 52 lugares corresponde ao número de americanos que foram feitos reféns durante mais de um ano, no final de 1979, na embaixada dos Estados Unidos em Teerão.

A tensão entre os Estados Unidos e o Irão aumentou na sequência da morte do comandante da força de elite iraniana Al-Quds, Qassem Soleimani, vítima na sexta-feira de um ataque aéreo contra o aeroporto internacional de Bagdade que o Pentágono declarou ter sido ordenado pelo Presidente dos Estados Unidos.

O ataque ocorreu três dias depois de um assalto inédito à embaixada norte-americana que durou dois dias e apenas terminou quando Trump anunciou o envio de mais 750 soldados para o Médio Oriente.

O ataque já suscitou várias reações, tendo quatro dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas – Rússia, França, Reino Unido e China - alertado para o inevitável aumento das tensões na região e pedido às partes envolvidas que reduzam a tensão. O quinto membro permanente do Conselho de Segurança da ONU são os Estados Unidos.

No Irão, o sentimento é de vingança, com o Presidente e os Guardas da Revolução a garantirem que o país e “outras nações livres da região” vão vingar-se dos Estados Unidos.

Também o líder supremo do Irão, o ayatollah Ali Khamenei, prometeu vingar a morte do general e declarou três dias de luto nacional, enquanto o chefe da diplomacia considerou que a morte como “um ato de terrorismo internacional”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+