Tempo
|
A+ / A-

EUA

Tensão no Golfo. Pentágono avisa Irão: caso ataques se repitam, "vão arrepender-se"

02 jan, 2020 - 18:12 • Redação com Lusa

Na terça-feira, milhares de manifestantes atacaram a embaixada dos Estados Unidos em Bagdad, no Iraque. O chefe do Pentágono, Mark Esper, garantiu entretanto que os norte-americanos "estão prontos para se defender" de novos ataques "apoiados, liderados e financiados pelo Irão".

A+ / A-

Os Estados Unidos aguardam novos ataques no Iraque por parte de paramilitares aliados do Irão, de que "se arrependerão", anunciou esta quinta-feira o chefe do Pentágono, Mark Esper, após o ataque à embaixada dos Estados Unidos em Bagdad.

"Desde há meses, que existem provocações", realçou secretário de Estado Defesa norte-americano à imprensa. "Acho que vão fazer alguma coisa? Sim. E provavelmente vão arrepender-se", afirmou Esper, que acrescentou: “Estamos prontos para nos defender e estamos prontos para impedir novos comportamentos prejudiciais desses grupos, todos apoiados, liderados e financiados pelo Irão".

Se os EUA tiverem conhecimento de novos ataques em preparação adotarão “medidas preventivas para proteger as forças americanas", disse ainda o chefe do Pentágono.

Na terça-feira, milhares de manifestantes atacaram a embaixada dos Estados Unidos em Bagdad, queimando bandeiras, derrubando câmaras de vigilância e gritando "morte à América", após ataques mortais norte-americanos a um grupo armado iraquiano pró-iraniano.

Face ao ataque, unidades iraquianas de elite foram destacadas hoje para reforçar a segurança da embaixada dos EUA, que suspendeu as suas atividades consulares até novo aviso. Uma dezena de veículos blindados das unidades iraquianas de elite contraterrorismo passaram a controlar as ruas que conduzem à embaixada e defronte da chancelaria, segundo um correspondente no local da agência de notícias France-Presse.

No passado dia 27 de dezembro, um ataque com mais de 30 foguetes contra a base militar K1, em Kirkuk, no norte do Iraque causou a morte de um funcionário contratado independente norte-americano e deixou vários feridos entre os militares dos Estados Unidos e do Iraque que estavam nas instalações.

O Pentágono acredita que a milícia xiita Kata'ib Hizbulá (KH) é responsável pelos ataques que, desde meados de outubro, visam bases militares e instalações governamentais onde se encontra pessoal norte-americano que apoia o exército iraquiano.

Em resposta à primeira baixa norte-americana, o Pentágono anunciou no domingo que os Estados Unidos realizaram "ataques defensivos" no Iraque e na Síria contra o KH, matando pelo menos 25 pessoas, segundo as milícias pró governamentais da Multidão Popular, movimento composto principalmente por xiitas.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+