Tempo
|
A+ / A-

FBI investiga morte de Jeffrey Epstein na prisão

10 ago, 2019 - 18:00

O milionário norte-americano, acusado de tráfico e abuso sexual de menores, faria parte da lista de potenciais suicidas e deveria estar sempre sob constante vigilância.

A+ / A-

O FBI, polícia do Departamento de Justiça dos Estados Unidos da América, está a investigar o "aparente suicídio" do magnata Jeffrey Epstein, encontrado morto numa cela da prisão de Manhattan, em Nova Iorque, este sábado.

Um antigo diretor de prisão, Cameron Lindsay, que dirigiu três prisões federais, considerou que o suicídio de Epstein na cadeia representa uma "chocante falha" do sistema.

Cameron Lindsay adiantou que o norte-americano deveria estar sempre debaixo de uma constante vigilância.

Também o procurador-geral dos Estados, Unidos, William Barr, se diz estupefacto. O suspeito estava sob custódia federal pelo que a sua morte tem de ser investigada, avançou em declarações à Associated Press (AP).

Epstein estava em prisão preventiva a aguardar julgamento por alegados tráfico e abusos sexuais de menores.

Os procuradores acusavam o milionário, próximo de Donald Trump, de atrair dezenas de mulheres para as suas casas de luxo em Nova Iorque e na Flórida e de lhes pagar para concretizar atos sexuais. Estes encontros terão ocorrido entre 2002 e 2005 e o multimilionário usaria ainda algumas das jovens para recrutar outras para as mesmas práticas.

De acordo com a acusação, o norte-americano “procurava intencionalmente menores e sabia que muitas das suas vítimas tinham menos de 18 anos, porque, em alguns dos casos, elas próprias disseram-lhe a idade”.

Já no passado mês de julho, o magnata de 66 anos, foi encontrado inconsciente na cela, com hematomas no pescoço, aparentemente autoinfligidos. De acordo com a ABC News, Epstein faria parte da lista de potenciais suicidas.

A 31 de julho, vários órgãos de comunicação de Nova Iorque noticiavam que o julgamento de Jeffrey Epstein, 66 anos, deveria iniciar-se entre junho e setembro de 2020.

Dias antes, o juiz tinha negado o pedido de Epstein para ser colocado em prisão domiciliária até ao início do julgamento.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+