Tempo
|
A+ / A-

Imagens de videovigilância mostram corpo de Khashoggi a ser retirado do consulado em sacos

31 dez, 2018 - 17:25 • Lusa com Redação

Jamal Khashoggi, jornalista crítico do Governo da Arábia Saudita, foi morto a 2 de outubro por agentes sauditas no consulado do seu país em Istambul.

A+ / A-

A cadeia de televisão turca A-Haber exibiu no domingo imagens de videovigilância que mostram homens a transportarem sacos nos quais estaria o corpo desmembrado do jornalista Jamal Khashoggi, depois de ter sido morto no consulado saudita em Istambul.

As imagens, captadas por câmaras de videovigilância, mostram, de acordo com a Agência France Presse, três homens que transportam cinco malas e dois sacos grandes e escuros dentro da residência do cônsul saudita, situada perto do consulado.

Citando fontes turcas, a A-Haber garante que dentro dos sacos e das malas está o corpo desmembrado de Jamal Khashoggi, morto em outubro.

Até esta segunda-feira de manhã, as autoridades turcas não fizeram comentários sobre as imagens.

Jamal Khashoggi, jornalista crítico do Governo da Arábia Saudita, foi morto a 2 de outubro por agentes sauditas no consulado do seu país em Istambul.

Três meses depois da morte, o corpo do jornalista ainda não foi encontrado. As autoridades turcas revelaram que o corpo tinha sido desmembrado e retirado do consulado, mas persistem dúvidas sobre o caso.

De acordo com a A-Haber, as malas e os sacos que se veem nas imagens de videovigilância foram levados para um ‘mini bus’, que estava inicialmente parado em frente ao consulado e depois entrou numa garagem da casa do cônsul.

O Governo da Turquia tinha inicialmente referido que não queria um inquérito internacional, preferindo a cooperação direta com as autoridades sauditas.

Contudo, Ancara tem criticado repetidamente a falta de cooperação saudita, que diz que o assassínio foi cometido sem o seu consentimento.

As autoridades sauditas rejeitaram um pedido de extradição de um grupo de suspeitos, feito pela Turquia, que incluía dois funcionários próximos do príncipe herdeiro, Mohammed bin Salman, acusado por Ancara de ter participado no plano do assassínio.

Os dois suspeitos, Ahmed al-Assiri e Saud al-Qahtani, foram demitidos das suas funções a 20 de outubro, enquanto uma 'tempestade' diplomática atingia a Arábia Saudita, após a morte do jornalista, que vivia nos Estados Unidos e trabalhava para o jornal Washington Post.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    02 jan, 2019 00:39
    Embargo total ao reino jihadista da Arábia Saudita já! Se a hipocrisia matasse, a maioria dos líderes dos países ditos desenvolvidos já teria falecido há muito.
  • Nora
    01 jan, 2019 portlegre 23:00
    Não vale apena estar sempre a falar do mesmo os traidores são mortos pelos seus em multiplos regimes se estão tao admirados é por falta de conhecimento histórico.O mundo é multipolar, se fosse na CHINA haveria tanto alarido e declariam intervenção da NATO.O mundo neste momento com Trump,Putin ,xi ,Balsonaro etc mudou quem não percebeu continuará com narrativas laicas e elitiitas descredibilizadas que nada resolvem.Falsas democracias criadas e reconhecidas como tal,retirada dos EUA de diferentes comit´´es -direitos humanos,clima,nuclear tratados-retira valor a determinadas narrativas pois o único interesse hoje é o básico económico.A arábia alimenta economia com compra de armas ,França,Inglaterra,EUA etc.Bloquearam os negócios do qual depende o seu PIB?????!!!!!!!!!!

Destaques V+