Tempo
|
A+ / A-

Brexit. Tony Blair diz que segundo referendo é o mais provável

14 dez, 2018 - 14:32

Blair pede à União Europeia que faça reformas internas para tornar mais provável aos britânicos votar para permanecer, caso haja outra consulta popular.

A+ / A-

O ex-primeiro-ministro do Reino Unido, Tony Blair, diz que a melhor solução para o dilema do Brexit é um segundo referendo sobre a saída da União Europeia.

A atual primeira-ministra Theresa May está a ter muitas dificuldades em fazer aprovar no Parlamento o acordo a que chegou com Bruxelas e em conseguir mais cedências da União Europeia que possam tornar o seu acordo mais atrativo para os deputados britânicos.

Tony Blair diz que este é um momento único na história da política britânica. “O Governo não está em controlo da situação nem da agenda, nem dos eventos, nem das soluções”.

Blair, que sempre se opôs ao Brexit e tem pedido várias vezes um segundo referendo, diz que agora “o que parecia improvável há alguns meses tem agora 50% de probabilidade de acontecer. Vamos ouvir de novo o povo”, disse, num discurso a líderes da União Europeia em Bruxelas.

O ex-político disse aos líderes europeus que deviam promover reformas internas em áreas como a imigração, para evitar que os britânicos queiram abandonar a União. Essa atitude mostraria “que a liderança política da Europa e do Reino Unido tinham escutado as preocupações daqueles que votaram pelo Brexit, sem desrespeitar essas preocupações, mas indo ao encontro delas”, disse.

Theresa May tem insistido que “Brexit significa Brexit” e que a decisão de abandonar a União Europeia é irrevogável, mas Blair compara este momento ao de um noivado, dizendo que ainda é possível inverter a situação. “Tendo em conta tudo o que aconteceu, o antidemocrático seria não dar a última palavra ao povo”.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Elias
    15 dez, 2018 Elvas 14:25
    A democracia em pleno! De referendo em referendo até termos o que nos interessa!

Destaques V+