A+ / A-

Mais de 300 mil migrantes atravessaram o Mediterrâneo este ano

20 set, 2016 - 11:53

Porta-voz do ACNUR diz que desde o início de 2016, 3.211 migrantes morreram ou desapareceram nas águas.

A+ / A-

Mais de 300.000 migrantes atravessaram o Mediterrâneo para chegar à Europa em 2016, contra 520.000 nos primeiros nove meses de 2015, informou o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR).

Em contrapartida, 2016 será o ano em que mais pessoas morreram naquela travessia se o número de mortes se mantiver ao ritmo actual.

"O número de refugiados e migrantes que chegaram às costas europeias ultrapassou a barreira dos 300.000 esta terça-feira", disse um porta-voz do ACNUR, William Spindler, numa conferência de imprensa em Genebra.

Desde o início de 2016, 3.211 migrantes morreram ou desapareceram no Mediterrâneo, apenas menos 15% que o número total de mortes registado em todo o ano de 2015 (3.771), segundo um comunicado daquela agência.

Os padrões de chegadas à Grécia e Itália, que recebem a grande maioria dos migrantes, também se alteraram em 2016.

As chegadas a Itália em 2016 - 130.411 - são comparáveis às do mesmo período de 2015 - 132.000, mas a Grécia registou uma quebra de 57%, sobretudo após o acordo de Março entre a União Europeia (UE) e a Turquia.

Quase metade (48%) dos migrantes que chegaram em 2016 à Grécia eram sírios, um quarto (25%) afegãos e os restantes iraquianos (15%), paquistaneses (4%) e iranianos (3%), segundo o ACNUR.

A Itália chegaram sobretudo migrantes da Nigéria (20%), Eritreia (12%), Gâmbia (7%), Guiné-Conacri (7%), Sudão (7%) e Costa do Marfim (7%).

Relativamente ao plano de recolocação de migrantes, adoptado em Setembro de 2015 para distribuir 160.000 refugiados chegados à Grécia e Itália pelos restantes Estados-membros da UE, apenas 5.000 pessoas foram recolocadas, lamentou o ACNUR.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Mário Guimarães
    21 set, 2016 Lisboa 09:24
    Venham todos para Portugal que além do Sampaio o Guterres e o Marcelo oferecem as suas casas para os receber ! Os portugueses que emigrem se quiserem !

Destaques V+